Produtores rurais argentinos retomam protestos

Comercialização e exportação de grãos e carne serão suspensas, dizem ruralistas.

Marcia Carmo, BBC

27 de maio de 2008 | 23h30

Os produtores rurais argentinos decidiram nesta terça-feira retomar a mobilização contra o governo, no que chamaram de "plano de luta".As quatro principais entidades de produtores do país anunciaram que a partir desta quarta-feira será suspensa a comercialização e a exportação de grãos. Na quinta-feira, a medida de protesto será ampliada também para o setor de carne, segundo os produtores.De acordo com os dirigentes das entidades, esse "plano de luta" seguirá, pelo menos, até 9 de junho.O presidente das Confederações Rurais Argentinas, Mario Llambias, leu um comunicado informando que o protesto incluirá acampamentos em locais públicos, abaixo-assinado e apelo aos políticos das províncias produtoras. Llambias informou que os líderes das quatro entidades enviaram cartas (pedindo apoio) à Igreja Católica, à Suprema Corte de Justiça e ao Congresso Nacional.ImpostosOs protestos do setor rural argentino foram iniciados em março, motivados pelo aumento de impostos sobre as exportações agropecuárias, principalmente de soja. As manifestações se transformaram na maior crise enfrentada pela presidente Cristina Kirchner desde que assumiu o poder, em dezembro passado, e acabaram provocando a queda do ministro da Economia, Martín Lousteau. Os produtores chegaram a manter uma trégua de um mês, mas retomaram os protestos no início de maio, após o fracasso das negociações com o governo. Desde março, os protestos já envolveram o bloqueio de estradas e panelaços nas principais cidades argentinas e chegaram a provocar desabastecimento no país. Desta vez, no entanto, os produtores afirmaram que não haverá desabastecimento."Não faltará carne, porque os frigoríficos estão cheios, abastecidos para atender o mercado interno pelos próximos 20 dias", disse Alfredo de Angelis, líder rural em Gualeguaychú, na província de Entre Rios, por onde passam diariamente vários caminhões brasileiros. ApoioNa noite desta terça-feira, o ex-presidente Néstor Kirchner, marido da presidente Cristina Kirchner, reuniu-se com integrantes do seu partido, o Partido Justicialista (PJ, peronista), para definir uma estratégia de apoio ao governo nacional. Kirchner é o presidente do PJ, o principal partido da Argentina. No fim do encontro, governadores leram um comunicado criticando os produtores rurais. "Esse é um ataque antidemocrático. (...) E o governo ratifica seu rumo econômico", disse o governador da província do Chaco, Jorge Capitanich. "O setor rural desrespeita a vontade popular."Mais cedo, também nesta terça-feira, Cristina Kirchner já havia pedido "tolerância" aos produtores rurais.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.