Informação para você ler, ouvir, assistir, dialogar e compartilhar!
Tenha acesso ilimitado
por R$0,30/dia!
(no plano anual de R$ 99,90)
R$ 0,30/DIA ASSINAR
No plano anual de R$ 99,90

Professor cita crack e roubo em questão de matemática

Mãe de aluna de escola estadual de Santos viu exercícios no caderno da filha e registrou boletim de ocorrência

Rejane Lima / SANTOS,

19 de fevereiro de 2011 | 00h36

O professor de matemática de uma escola estadual de Santos está sendo acusado de apologia ao crime por passar aos alunos do 1.º ano do ensino médio exercícios que citam temas como tráfico, prostituição, roubo de veículos, assassinato e uso de armas de fogo.

Nas questões, o professor pergunta, por exemplo, qual a quantidade de pó de giz que um traficante deverá misturar para ganhar 20% na venda de 200 gramas de heroína ou quantos clientes cada prostituta deverá atender para que o cafetão compre uma dose diária de crack.

O caso foi denunciado à polícia pelos pais de uma aluna da Escola Estadual João Octávio dos Santos, no morro do São Bento, periferia da cidade. A adolescente pediu ajuda à mãe para responder um exercício aplicado em sala de aula. Ao ver o caderno da filha, a mãe se surpreendeu com o texto e procurou a escola.

De acordo com o boletim de ocorrência registrado na Delegacia de Investigações Sobre Entorpecentes (Dise) de Santos, o professor confirmou que havia aplicado as questões.

Segundo o delegado, o professor e a diretora da escola deverão prestar depoimento na segunda-feira. Caso seja condenado por apologia ao crime, o professor poderá receber punição de três a seis meses de detenção. "O juiz pode aplicar pena de prestação de serviços", explicou.

A Secretaria Estadual de Educação afirmou ter instaurado procedimento para apuração de responsabilidades e decidiu afastar o docente.

Pais e estudantes se dividem sobre o fato. "Não sei onde ele estava com a cabeça, vai ver achou que estaria trabalhando com a realidade do morro", disse Cristiane Santos. A dona de casa Iraci Ferreira Alves, de 44 anos, acredita que ele está sendo mal interpretado. "Ele só alertou sobre o que tem em todos os lugares. É um ótimo professor e todos os alunos gostam dele", disse Iraci, que faz parte da Associação de Pais e Mestres da escola.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.