Professora é assassinada durante assalto no Rio

O assassinato de uma professora numa tentativa de assalto, no início da madrugada de ontem, chocou moradores de Botafogo, na zona sul do Rio de Janeiro, e terminou em perseguição e tiroteio no Aterro do Flamengo, próximo ao Centro. Um dos três assaltantes que abordaram a professora Cássia Blondet Baruque, de 48 anos, quando ela manobrava seu carro numa esquina, foi morto. Pesquisadora de instituições de renome do Rio, ela era uma conceituada especialista em Informática.

ALEXANDRE RODRIGUES, Agencia Estado

05 Julho 2009 | 17h43

Segundo testemunhas, Cássia manobrava seu carro, um Toyota Corolla, numa esquina próximo à Praça Radial Sul, que fica nas proximidades da delegacia e do Batalhão de Polícia Militar do bairro. Abordada por três homens armados, ela teria se assustado e perdido o controle do veículo, batendo numa mureta ao dar ré. Um dos bandidos então foi até o vidro do lado do motorista e atirou nela.

Em outra versão investigada pela polícia, a professora teria tentado fugir iniciando a marcha ré, quando foi alvejada. Ferida, ela chegou a abrir a porta do carro, mas caiu na rua. Bombeiros tentaram reanimá-la, mas ela não resistiu ao ferimento. A bala que atravessou um braço atingiu o peito.

Sem levar o carro da professora, os bandidos abandonaram o local a pé e roubaram um outro veículo, um Pólo, na Rua Muniz Barreto e fugiram em direção ao Centro. Policiais Militares que foram acionados iniciaram uma perseguição. No final do Aterro do Flamengo, próximo ao Aeroporto Santos Dumont, eles foram abordados e trocaram tiros com os policiais. Um deles morreu na hora. Outro, baleado, foi atendido no Hospital Municipal Souza Aguiar sob custódia da PM. O terceiro foi preso e levado para a delegacia do Centro (5º DP). Cássia estava saindo de uma festa e se preparava para dar carona a amigos. Moradores de Botafogo já tinham feito queixas à polícia sobre os assaltos frequentes a motoristas nas imediações da praça.

Em Niterói (Grande Rio), o capitão do Corpo de Bombeiros Rodrigo Fernandes da Silveira, de 31 anos, também foi baleado quando estava parado dentro do carro, na noite de sábado. Ele aguardava a mulher que fazia compras numa farmácia, no bairro de Icaraí, quando foi baleado. Atingido no abdômen, ele foi retirado do carro, que foi levado pelos criminosos. Levado para o Hospital Azevedo Lima, ele foi operado e transferido para o Hospital do Corpo de Bombeiros, no Rio.

Mais conteúdo sobre:
professoraassassinatoRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.