Professores decidem permanecer em greve no Rio

Cerca de 50 professores da rede de ensino da Prefeitura do Rio continuam instalados no plenário da Câmara de Vereadores da cidade. A ocupação começou nesta quinta-feira, 26, com o objetivo de evitar a votação do Plano de Cargos, Carreira e Remuneração da categoria.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

27 de setembro de 2013 | 19h13

Nesta sexta-feira, 27, foi promovida na frente da Câmara uma assembleia em que a categoria decidiu manter a greve, reiniciada no dia 20. A próxima reunião vai ocorrer na terça-feira, 1º, ao meio-dia, no mesmo local.

O plano foi elaborado pela prefeitura sem que houvesse debate com categoria, dizem os professores instalados na Câmara. Eles reclamam de vários trechos, como aquele que permitiria a um professor ministrar aulas para disciplinas distintas, como matemática e geografia.

A votação do projeto poderia ter ocorrido na sessão de anteontem, que acabou encerrada devido à ocupação. O presidente da Câmara, Jorge Felippe (PMDB), marcou a votação para a próxima terça-feira. Os professores pretendem permanecer no plenário até lá.

Os professores que ocupam o plenário dormiram em cadeiras ou no chão. Eles recebem água e alimentos e estão autorizados a usar os banheiros. Nesta quinta, Jorge Felippe afirmou que não pretendia pedir reintegração de posse do imóvel. Hoje, porém, o grupo discutiu o que fazer se houver ordem judicial determinando a saída. A ideia é insistir na permanência, ao menos até terça-feira.

Mais conteúdo sobre:
protestoprofessoresRio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.