Professores pioneiros dão valor à titulação

Os professores que detêm os primeiros títulos registrados após 1969 destacam a importância que a titulação teve em suas vidas profissionais. "A comemoração das 100 mil teses da USP demonstra que desde seu início houve a criação de um ambiente fértil de pesquisa, o que propiciou a formação e o desenvolvimento de um grande número de pesquisadores e de alunos de iniciação científica, mestrado e de doutorado em todas as áreas do conhecimento", destaca o professor Hildebrando Rodrigues. Ele ainda dá aulas e orienta alunos.

Mariana Mandelli e Alexandre Gonçalves, O Estado de S.Paulo

19 Junho 2011 | 00h00

 

Rodrigues apresentou seu mestrado na área de matemática no câmpus de São Carlos em novembro de 1970. O estudo investigava equações diferenciais.

 

O segundo titulado, que obteve o título de mestre uma semana após Rodrigues com uma pesquisa na área de recursos hídricos, saiu da USP depois de 33 anos. Hoje, Arthur Mattos é professor titular da Universidade Federal do Rio Grande do Norte (UFRN). "A pós foi fundamental na minha vida", considera.

 

Mattos destaca que o desenvolvimento da pós-graduação na USP teve grande apoio das agências de fomento. "Em São Paulo, a Fapesp (Fundação de Amparo à Pesquisa do Estado de São Paulo) é essencial. O CNPq (Conselho Nacional de Desenvolvimento Científico e Tecnológico) também é muito aparelhado e a Capes (Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior) é fundamental."

 

Veja também:

 

linkUSP festeja 100 mil títulos de mestrado e doutorado

linkQuantidade não se traduz em qualidade

linkRenúncia pessoal e profissional marca período

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.