Programa descobre 378 superdotados na rede estadual

Projeto, que teve início em 2007, formou professores para diagnosticar crianças com 'superconhecimentos'

Da Redação, Agência Estado

05 Janeiro 2009 | 09h34

Aos cinco anos ele já sabia dividir, multiplicar, somar e subtrair. Hoje, aos 7, é expert em palavras cruzadas, sudoku (jogo de raciocínio japonês) e não cansa de fazer cálculos matemáticos em um caderninho particular. Nicolas dos Santos, que estuda em uma escola pública no Itaim Paulista, periferia da zona leste da capital paulista, é um dos 378 superdotados detectados pelo Caça Talentos da rede estadual de ensino em 2008. O programa, que começou no início de 2007, formou professores para diagnosticar os casos de crianças que têm "superconhecimentos" em determinadas áreas nas escolas estaduais. Para a surpresa da equipe-coordenadora, o número de superdotados disparou em um ano, saltando de 79 para 378. O segredo desse recorde, de acordo com Denise Arantes, psicóloga do Centro de Apoio Pedagógico Especializado (Cape, órgão ligado à Secretaria Estadual da Educação), é o preparo dos professores para a realização do diagnóstico.

Mais conteúdo sobre:
educaçãosuperdotados

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.