Programa é criticado em encontro da SBPC

O programa Ciência sem Fronteiras foi alvo de críticas ontem na reunião anual da Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Ciência (SBPC).

Mariana Lenharo, enviada especial a São Luís (MA), de O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2012 | 03h02

 

Durante a mesa-redonda Fronteira da Ciência sem Fronteiras foi questionada, por exemplo, a capacidade do País de absorver esses pesquisadores do exterior quando eles voltarem para o Brasil. "Se temos problemas com a absorção de recém-doutores, que têm dificuldade de se inserir no mercado, como vamos receber esses alunos?", observou a doutoranda Luana Bonone, presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG).

 

A situação foi questionada por Helena Nader, presidente da SBPC. "Estamos mandando os melhores para fora. Mas queremos esses meninos de volta, aqui, para que esse conhecimento reverta para o Brasil", disse.

 

O fato de o programa não incluir os alunos das ciências humanas também foi criticado por vários dos presentes. O presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Jorge Almeida Guimarães, disse que, com o início do programa, sobraram mais vagas nos programas de bolsa tradicionais da Capes e do CNPq, que estariam disponíveis para os estudantes dessas áreas. Para os alunos de graduação das ciências humanas, porém, não existe nenhuma opção parecida.

 

Guimarães também disse que o desempenho dos bolsistas tem surpreendido as universidades estrangeiras. "Fazem fila para fazerem acordos. Todos querem nossos estudantes."

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.