Programa é criticado em encontro da SBPC

O programa Ciência sem Fronteiras foi alvo de críticas ontem na reunião anual da Sociedade Brasileira para o Desenvolvimento da Ciência (SBPC).

Mariana Lenharo, enviada especial a São Luís (MA), de O Estado de S. Paulo,

25 de julho de 2012 | 03h02

 

Durante a mesa-redonda Fronteira da Ciência sem Fronteiras foi questionada, por exemplo, a capacidade do País de absorver esses pesquisadores do exterior quando eles voltarem para o Brasil. "Se temos problemas com a absorção de recém-doutores, que têm dificuldade de se inserir no mercado, como vamos receber esses alunos?", observou a doutoranda Luana Bonone, presidente da Associação Nacional dos Pós-Graduandos (ANPG).

 

A situação foi questionada por Helena Nader, presidente da SBPC. "Estamos mandando os melhores para fora. Mas queremos esses meninos de volta, aqui, para que esse conhecimento reverta para o Brasil", disse.

 

O fato de o programa não incluir os alunos das ciências humanas também foi criticado por vários dos presentes. O presidente da Coordenação de Aperfeiçoamento de Pessoal de Nível Superior (Capes), Jorge Almeida Guimarães, disse que, com o início do programa, sobraram mais vagas nos programas de bolsa tradicionais da Capes e do CNPq, que estariam disponíveis para os estudantes dessas áreas. Para os alunos de graduação das ciências humanas, porém, não existe nenhuma opção parecida.

 

Guimarães também disse que o desempenho dos bolsistas tem surpreendido as universidades estrangeiras. "Fazem fila para fazerem acordos. Todos querem nossos estudantes."

Notícias relacionadas

    Encontrou algum erro? Entre em contato

    O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.