Programa muda para incluir mais mulheres

Jogos de Londres terão alterações nas competições de tênis e ciclismo

Valéria Zukeran, O Estadao de S.Paulo

11 Dezembro 2009 | 00h00

O Comitê Olímpico Internacional (COI) divulgou ontem mudanças no programa dos Jogos de Londres. O tênis vai ganhar a disputa de duplas mistas e o ciclismo, que antes tinha oito provas para homens e três para as mulheres, vai ter cinco para cada. "Nosso objetivo e nosso compromisso é poder ampliar o número de mulheres que participam dos Jogos. Além disso, as mudanças refletem o desejo do COI de renovar continuamente o programa (olímpico)", disse o presidente Jaques Rogge. Segundo o dirigente, as alterações contaram com a aprovação das federações esportivas.

No comunicado que anunciou as novidades, o COI explica que a inclusão das duplas mistas no tênis não aumentará o atual número de participantes, mas "será um estímulo extra ao programa olímpico, ao conceder uma nova oportunidade para homens e mulheres competirem juntos na mesma quadra." Quanto ao ciclismo, a entidade máxima do esporte explica que a União Ciclística Internacional (UCI) considerou que o novo formato poderia ser mais atraente para o torcedor. A participação feminina aumentará de 35 nos Jogos de Pequim para 84 em Londres.

Com as mudanças, o ciclismo terá provas de sprint, sprint por equipes, keirin e omnium masculino e feminino. Foram excluídas as provas de perseguição individual, madison e a corrida por pontos. A exclusão da perseguição individual causou reclamações de muitos atletas.

No Brasil, a mudança foi considerada benéfica. "Como estamos começando quase que do zero (o trabalho para Londres), pode ser interessante", diz o técnico da equipe brasileira de ciclismo de pista, Cláudio Diegues. Segundo ele, a Confederação Brasileira (CBC) pretende aumentar os investimentos nas modalidades de sprint por equipes e perseguição por equipes para os próximos Jogos. A Confederação Brasileira de Tênis promete divulgar nos próximos dias seu parecer sobre as mudanças.COM AGÊNCIAS

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.