Divulgação
Divulgação

Programa põe em prática o abate humanitário

Programa do Ministério e da ONG WSPA vai treinar e fiscais agropecuários sobre normas de bem-estar

Fernanda Yoneya, O Estado de S.Paulo

03 de junho de 2009 | 03h00

Depois de quase dez anos da publicação, pelo Ministério da Agricultura (Mapa), da Instrução Normativa nº 3, que regulamenta o abate humanitário de animais de produção, o tema bem-estar animal volta a ganhar força com um programa inédito de capacitação de frigoríficos e fiscais agropecuários federais ligados à indústria. A iniciativa é do Programa Nacional de Abate Humanitário (Steps), lançado recentemente pela Sociedade Mundial de Proteção Animal (WSPA) e pelo Mapa, que pretende reciclar boas práticas de produção nas fases pré-abate e abate e, com isso, elevar a qualidade da carne produzida no País.

O programa tem financiamento para cinco anos e a capacitação levará em conta critérios comerciais e legislativos referentes a bem-estar animal, do transporte até o frigorífico, passando pelo desembarque na indústria, manejo e descanso nos currais e insensibilização para o abate. A meta é capacitar este ano profissionais de 170 frigoríficos de Santa Catarina; depois, o projeto se estenderá para São Paulo, Paraná e Rio Grande do Sul. "A participação da indústria é voluntária e a ideia é que o fiscal capacitado seja um multiplicador do treinamento", diz a coordenadora do Steps, Charli Ludtke.

 

Veja também:

linkFazenda-modelo em SP vai produzir carne com foco em bem-estar

linkTransporte dos animais precisa ser aprimorado

O curso é dado por veterinários e zootecnistas e dura dois dias. O material didático inclui DVDs, apostilas e manuais, elaborados sob orientação de consultoria inglesa especializada em bem-estar animal. As filmagens foram feitas nos melhores frigoríficos do País. "O material foi baseado em boas práticas, aceitas no mundo todo."

O curso aborda, para suínos, aves e bovinos, itens como comportamento animal, qualidade da carne, transporte, manejo, contenção e formas de insensibilização. É proibido, por exemplo, usar marretas para insensibilizar bovinos. A técnica mais moderna usa uma pistola pneumática que deixa o animal inconsciente instantaneamente. Na condução de animais, bandeiras substituem choques elétricos. "No abate humanitário, o animal é contido individualmente, para facilitar a insensibilização. O ideal é que de cem animais atordoados, 95% sejam insensibilizados na primeira tentativa", diz o zootecnista Murilo Henrique Quintiliano, consultor de projetos do Grupo de Estudos e Pesquisas em Etologia e Ecologia Animal (Grupo Etco), ligado à Faculdade de Ciências Agrárias e Veterinárias da Unesp de Jaboticabal. "É traçado um xis entre a base do chifre e os olhos e o tiro tem de acertar no meio. O funcionário deve ser muito bem treinado." No caso de aves e suínos, o atordoamento é feito com choque elétrico na cabeça ou em câmaras de gás carbônico.

"A proposta é minimizar o sofrimento dos animais e garantir a qualidade do produto final", diz Charli. Ela explica que as situações de stress a que os animais são submetidos durante o manejo causam alterações na carne. "A carne bovina fica escura, firme e seca. As carnes suína e de frango ficam pálidas, moles e soltam muita água."

MERCADO

Hoje, a União Europeia é o mercado mais exigente no que diz respeito ao bem-estar animal - em 2012 passam a vigorar no bloco normas que deverão ser cumpridas por países exportadores. "Para a UE, o Brasil está agindo de forma proativa", diz a fiscal federal agropecuária Andrea Parrilla, coordenadora da Comissão Técnica de Bem-Estar Animal do Mapa. "Os europeus estão dispostos a pagar para quem produz privilegiando o bem-estar animal", diz o diretor da WSPA Brasil, Antonio Augusto Silva. "O Steps vai beneficiar toda a cadeia produtiva. Com padrões mais elevados de bem-estar animal, haverá menos perdas e mais oportunidades de mercado", avalia Charli.

 

PRODUTOR BRASILEIRO

A certificação de produtos que respeitam o bem-estar animal é novidade no Brasil, mas já há demanda por esse tipo de garantia. No ano passado, a certificadora Ecocert Brasil, com sede em Santa Rosa de Lima (SC), fez acordo com a americana Human Farm Animal Care e adaptou padrões de bem-estar para o Brasil. Idêntico ao selo americano e reconhecido nos Estados Unidos, o Certified Humane Brasil está disponível para aves de corte e de postura, bovinos, ovelhas, perus e suínos. "Podem ser certificados animais e produtos industrializados", diz o diretor da Ecocert, João Augusto de Oliveira. Segundo ele, dois processos de certificação já estão em andamento, um para bovinos e suínos e outro para aves. A metodologia de certificação é a mesma adotada para orgânicos. "Embora o selo seja reconhecido nos EUA, pode facilitar o acesso ao mercado europeu", acredita Oliveira.

Mais conteúdo sobre:
Agrícolaabatemanejo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.