Projeções no Uruguai indicam que eleição presidencial vai a 2º turno

Governista Mujica, que segundo boca de urna teve entre 47% e 49% dos votos, admite nova disputa e se diz 'otimista'

Ariel Palacios, MONTEVIDÉU, O Estadao de S.Paulo

26 de outubro de 2009 | 00h00

Pesquisas de boca de urna da eleição presidencial uruguaia, divulgadas após a votação de ontem, indicavam vitória do candidato governista, o ex-guerrilheiro José Pepe Mujica, com índices entre 47% e 49% dos votos. O resultado, se confirmado oficialmente, levará a disputa para segundo turno, no dia 29 de novembro.

O próprio candidato antecipou-se à divulgação dos resultados finais e disse, após o anúncio das projeções, que a sociedade uruguaia "exige mais um esforço, o de participar de um segundo turno". Mujica, porém se disse "otimista".

A coalizão governista - composta por socialistas, democrata-cristãos e comunistas, sob o comando do presidente socialista Tabaré Vázquez - enfrentou nas urnas o ex-presidente Luis Alberto Lacalle (1990-1995), do Partido Nacional (Branco), que segundo as pesquisas teria entre 29% e 31% dos votos. O candidato do Partido Colorado, Pedro Bordaberry, filho do ex-ditador Juan María Bordaberry, teria entre 17% a 18%. Ele reconheceu a derrota e declarou seu apoio a Lacalle.

Além de eleger o novo presidente e renovar o Congresso, os uruguaios votaram em dois plebiscitos.Um deles propunha a anulação da lei que anistiou os militares que cometeram violações aos direitos humanos durante a ditadura militar (1973-1985). O outro plebiscito determina se os uruguaios que vivem no exterior teriam direito a votar por carta.

Segundo projeções, nenhuma das duas propostas teriam sido aprovadas - 47,7% dos eleitores votaram a favor do fim da lei de anistia e 36,6% apoiaram o voto por carta dos uruguaios no exterior. Para passar, ambas teriam de reunir mais de 50% dos votos.

Analistas políticos indicam que Mujica - que integra o movimento tupamaro e diz ter o presidente Luiz Inácio Lula da Silva como modelo - teria força para vencer Lacalle no segundo turno. Mas, Lacalle, um liberal que se define como um "nacionalista pragmático", promete não desistir e já acena para os colorados, que ficaram em terceiro lugar, para conseguir respaldo para uma possível aliança no segundo turno.

Mujica não conseguiu capitalizar a grande popularidade do presidente Tabaré, que tem 65% de aprovação. As pesquisas indicaram ainda uma divisão de cadeiras equilibrada no Congresso.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.