Promotor de Justiça é assassinado a tiros em Pernambuco

Thiago de Farias Godoy tinha 33 anos e havia assumido o cargo em novembro do ano passado

Ângela Lacerda , Agência Estado

14 Outubro 2013 | 13h21

Atualizado às 22h31h. O promotor de Justiça Thiago de Farias Godoy, de 33 anos, foi assassinado a tiros na manhã desta segunda-feira, 14, no município pernambucano de Itaíba, no agreste, na PE-300, quando se dirigia para o Tribunal de Justiça da cidade, onde trabalhava. O corpo do promotor será sepultado nesta terça-feira, 15, no município de Águas Belas, onde morava.

Durante todo o dia, a Polícia Civil de Pernambuco divulgou a informação de que o promotor havia sido alvejado por 20 tiros. Mas só no final da noite desta segunda o secretário estadual de Defesa Social, Wilson Damázio, afirmou que na verdade Godoy foi alvejado por quatro disparos.

O promotor tinha 33 anos e havia assumido o cargo em novembro do ano passado. Ele morava em Águas Belas e trabalhava no Fórum de Itaíba, um trajeto de pouco mais de 40 km. 

De acordo com a polícia, o carro do promotor foi seguido por outro veículo e bloqueado depois do primeiro disparo. Os assassinos, então, executaram o promotor.

A noiva dele, Mysheva Freire Ferrão Martins, estava no banco do carona e conseguiu sair do carro sem ser atingida. Ela sofreu apenas alguns arranhões e foi medicada. O tio de Mysheva, Adautivo Elias Martins, estava no banco traseiro. Ele se jogou no chão do veículo também não foi atingido.

Prioridade. O secretário estadual de Defesa Social, Wilson Damázio, afirmou que a investigação do crime é considerada "prioridade um". Ele informou que pelo menos 50 policiais estão envolvidos na investigação. Dois delegados foram enviados a Itaíba para investigar o caso.

O procurador-geral de Justiça, Aguinaldo Fenelon, também se deslocou para a cidade, a 330 quilômetros do Recife. A Procuradoria-Geral da República informou que vai enviar dois conselheiros e três promotores federais para acompanhar o caso.

Mais conteúdo sobre:
Promotormorte

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.