Ayrton Vignola/AE-16/5/2011
Ayrton Vignola/AE-16/5/2011

Promotores encontram folhas de ponto assinadas por Pagura em Sorocaba

Documentos - que datam de novembro de 2009 a dezembro de 2010 - contradizem versão do ex-secretário de que não tinha vínculo com CHS, hospital de Sorocaba alvo de investigação por fraude e supostos pagamentos de plantões médicos não realizados

José Maria Tomazela, O Estado de S.Paulo

22 Junho 2011 | 00h00

SOROCABA

A investigação do Ministério Público e da Polícia Civil de Sorocaba na Operação Hipócrates contradiz a versão do ex-secretário de Esportes, Lazer e Juventude de São Paulo Jorge Roberto Pagura. O médico diz que não fez nem recebeu por plantões no Conjunto Hospitalar (CHS) de Sorocaba, mas, em um armário da Diretoria Regional de Saúde Sorocaba, foram encontradas folhas de ponto assinadas por ele.

Seu advogado, Frederico Crissiuma Filho, afirmou que as folhas dizem respeito ao trabalho de assessoria que Pagura prestava ao CHS na instalação de um centro de neurocirurgia. Segundo ele, o médico recebia apenas do Sistema Único de Saúde (SUS) e, quando foi convidado para assumir a secretaria, pediu a suspensão dos rendimentos.

Sobre um diálogo do médico com o ex-diretor do CHS Ricardo Salim considerado prova de irregularidade, o advogado disse que as frases foram mostradas fora de contexto. "O dr. Pagura perguntava se estava tudo certo com a parte administrativa do contrato dele." Segundo ele, o médico ia regularmente a Sorocaba para prestar a assessoria.

O diálogo foi mostrado no Fantástico, da Rede Globo. Em certo ponto, Salim diz a Pagura: "O teu ponto está sob controle, mas vamos tomar cuidado. Semana que vem, vamos pôr em algum lugar mais seguro." Depoimentos de outros investigados confirmam que o médico era escalado para plantões, embora nunca tenha aparecido no hospital.

Pagura é concursado pelo extinto Instituto Nacional de Assistência Médica e Previdência Social (Inamps), absorvido pelo SUS. Entre 1997 e 2000, foi secretário municipal de Saúde, na gestão Celso Pitta. Foi contratado para trabalhar em Sorocaba em 2009, por intervenção de Salim.

Para prestar serviços à rede estadual, Pagura teve de ser cedido pelo SUS à Secretaria da Saúde. Apesar de lotado na Diretoria Regional de Saúde, ele deveria prestar serviços ao CHS. O neurocirurgião se desligou em dezembro de 2010, quando foi convidado por Geraldo Alckmin para a Secretaria de Esportes.

Vereadores de Sorocaba denunciaram a possível ocorrência de plantões fantasmas também em hospitais psiquiátricos. Segundo documentos que serão entregues ao MP, em pelo menos quatro hospitais da região foi constatada defasagem entre os registros de atendimento e as horas trabalhadas. Os hospitais são privados, mas atendem pelo Sistema Único de Saúde (SUS).

Ponto eletrônico. O médico e deputado estadual Carlos Bezerra (PSDB) criticou a instalação de pontos eletrônicos para controle de presença de médicos na rede estadual de saúde. A ação foi anunciada pelo governador anteontem. "É uma medida importante, mas não toca o cerne da questão: más condições de trabalho e baixa remuneração. Também temos de fortalecer e dar autonomia aos conselhos gestores dos hospitais. É papel do conselho gestor fiscalizar o ponto dos médicos." Bezerra apresentou ontem, na Assembleia Legislativa, um projeto de lei que cria plano de carreira para profissionais de saúde em dedicação exclusiva ao Estado. / COLABORARAM FÁBIO MAZZITELLI, FELIPE FRAZÃO e FERNANDA BASSETTE

PARA ENTENDER

Operação prendeu 13

A Operação Hipócrates foi deflagrada na semana passada, com a prisão de 13 pessoas suspeitas de envolvimento em um esquema de fraude em plantões. Só no Hospital de Sorocaba, as fraudes teriam causado um rombo de mais de R$ 2 milhões.

Também é alvo de investigações um suposto esquema de fraudes em licitações para a compra de equipamentos e materiais cirúrgicos. Além do secretário de Esportes, Jorge Roberto Pagura, pediu demissão coordenador de Serviços da Saúde de São Paulo, Ricardo Tardelli, que sabia do esquema e nada fez.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.