Protesto a favor de índios termina em confusão no Rio

Por volta das 15h15 desta sexta-feira ocorreu mais um confronto entre manifestantes que apoiam os índios e forças de segurança do Rio de Janeiro. Um grupo de aproximadamente 200 jovens, em sua maioria estudantes universitários, se reuniu em frente à Assembleia Legislativa e interditou parcialmente a rua Primeiro de Março, uma das principais vias do centro do Rio. A Guarda Municipal interveio usando gás de pimenta para tentar liberar a via. Manifestantes dizem ter sido agredidos. Mais cedo nesta sexta, o Batalhão de Choque invadiu o Museu do Índio, que vinha sendo ocupado por 22 indígenas.

FÁBIO GRELLET, Agência Estado

22 de março de 2013 | 17h49

"Usaram cassetetes e gás de pimenta para nos atacar. Muita gente ficou machucada", contou a atriz Mônica Bello, de 27 anos. Pelo menos três jovens foram detidos por desacato e tentativa de agressão a guardas e PMs. Um carro da PM foi atacado e parcialmente destruído. O tumulto só terminou quando a Tropa de Choque da PM interveio.

Segundo a Prefeitura do Rio, 12 índios já estão no Hotel Acolhedor Santana 2, no centro. Eles tomaram banho e comeram. Pela parceria firmada com a Prefeitura do Rio, os índios ficarão com o primeiro andar do hotel e terão três refeições diárias (café da manhã, almoço e jantar). Esta é uma das possibilidades de moradia imediata até que os alojamentos fiquem prontos.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.