Protesto contra cubanos não foi hostil, diz sindicato

O presidente do Sindicato dos Médicos do Ceará (Semec), José Maria Pontes, que comandou o protesto contra os médicos cubanos na noite de segunda-feira, 26, disse que "eles tem que passar pelo Exame Nacional de Revalidação de Diplomas Médicos - Revalida. E assim foi nosso protesto. Não aceitamos o Governo Federal nos culpar. Não somos contra os cubanos. Mas eles têm que mostrar competência passando pela Revalida. Caso contrário isso não passa de uma palhaçada do Governo Federal. Temos os melhores médicos do mundo. O que falta é condições de trabalho".

LAURIBERTO BRAGA, ESPECIAL PARA AE, Agência Estado

27 de agosto de 2013 | 19h22

Para Pontes, o protesto não foi hostil. "Apenas manifestamos nossa insatisfação com essa situação criada pelo Ministério da Saúde. Friso que esses médicos cubanos não vão receber o registro do Conselho Regional de Medicina, porque eles não sabem operar. E temo pela saúde dos cearenses que serão entregues a eles."

O presidente do Semec destacou que as vaias do protesto não foram simplesmente para os cubanos. "Nossa categoria vaiou as pessoas que concordam com a vinda dos profissionais estrangeiros para o Brasil pelo programa federal Mais Médicos." José Maria Pontes disse ainda que "não havia como separar quem receberia as vaias, já que todos estavam próximos".

Tudo o que sabemos sobre:
MAIS MÉDICOSSINDICATO CEARÁ

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.