Protesto de islâmicos fecha Suprema Corte do Egito

Protestos de islâmicos aliados ao presidente Mohamed Mursi forçaram a Suprema Corte do Egito a suspender seus trabalhos indefinidamente no domingo, intensificando o conflito entre alguns dos principais juízes do país e o chefe de Estado.

Reuters

02 Dezembro 2012 | 13h13

A Suprema Corte disse que não irá se reunir até que seus juízes possam trabalhar "sem pressão psicológica e material", dizendo que manifestantes tinham impedido que os juízes chegassem ao prédio do tribunal.

Centenas de apoiadores a Mursi tinham protestado do lado de fora do tribunal durante a noite, antes da sessão que deveria examinar a legalidade do Senado a definição do esboço de uma nova constituição, ambos sob controle de islâmicos.

Os casos representam uma ameaça legal aos esforços de Mursi para por fim a uma crise iniciada em 22 de novembro com um decreto que temporariamente expandiu seus poderes e motivou protestos em todo o Egito.

A decisão da Suprema Corte de suspender suas atividades não deve ter qualquer impacto imediato nos planos de Mursi de ter a nova constituição sendo alvo de um referendo nacional em 15 de dezembro.

Mais conteúdo sobre:
EGITOSUPREMACORTEPROTESTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.