Protesto de trabalhadores Sem Terra atinge 22 Estados

No maior protesto realizado até agora contra o governo Dilma Rousseff, o Movimento dos Trabalhadores Sem Terra (MST) e três organizações de mulheres do campo invadiram nesta quinta-feira fazendas, sabotaram plantações, interditaram rodovias, destruíram patrimônio privado e ocuparam prédios públicos, entre os quais o do Ministério da Agricultura, em Brasília. As ações, que atingiram 22 Estados e o Distrito Federal, fazem parte da jornada nacional de luta das mulheres camponesas, com o objetivo de pressionar o governo por reforma agrária e denunciar o privilégio que estaria sendo dando ao agronegócio.

VANNILDO MENDES, Agência Estado

07 de março de 2013 | 20h44

Apesar dos danos materiais e dos transtornos causados por vários atos, o Ministério da Justiça considerou que a apuração dos eventuais excessos é de responsabilidade das polícias civil e militar de cada Unidade da Federação, não justificando o acionamento de aparato federal para intervir. A PF acionou apenas o setor de inteligência para acompanhar o movimento, mas não atuou diretamente em nenhum dos protestos.

A maior parte das ações, porém, nada tem a ver com reforma agrária e teve como objetivo marcar posição política contra o capitalismo e a suposta opção do governo em defesa do agronegócio. Na mais espetacular delas, um grupo de cerca de 500 manifestantes - na maioria mulheres, encapuzados e munidos de foices, invadiram a fazenda Aliança, da senadora Kátia Abreu (PSD-TO), no Tocantins e destruíram o canteiro de mudas de eucaliptos.

A seguir, os militantes interditaram por mais de duas horas os dois sentidos da BR-153 (Belém-Brasília), no trecho que passa em frente à fazenda da senadora, no município de Aliança (TO), gerando transtornos e um engarrafamento de vários quilômetros. Acionada, a Polícia Rodoviária Federal negociou a retirada pacífica dos piquetes e liberou o tráfego por volta das 10h30.

A ocupação da fazenda, registrada no nome do filho da senadora, deputado federal Irajá Abreu (PSD-TO), durou cerca de uma hora. No lugar do canteiro de eucaliptos, os ativistas deixaram mudas de arroz, feijão e outros alimentos. "Nosso objetivo foi sabotar o modelo de monocultura e mostrar a essa senadora que em vez de destruir o meio ambiente o caminho é diversificar a produção de alimentos para o povo", explicou Mariana Silva, dirigente do MST no Tocantins.

O movimento alegou que a fazenda teria sido embargada duas vezes por crimes ambientais pelo Instituto Brasileiro do Meio Ambiente e dos Recursos Naturais Renováveis (Ibama). As punições teriam sido adotadas em 2011 e 2012 por desmatamento em área de preservação permanente. "A ruralista e senadora Kátia Abreu é símbolo do agronegócio e dos interesses da elite agrária do Brasil, além de ser contra a reforma agrária e cometer crimes ambientais em suas fazendas por isso estamos realizando esse ato político e simbólico em sua propriedade", explicou Mariana.

Em Brasília, um grupo de 1,2 mil manifestantes, na maioria mulheres, invadiu o Ministério da Agricultura às 6 horas, pegando a segurança de surpresa. A ocupação terminou pouco depois das 11 horas, depois que os líderes foram recebidos pelo secretário executivo, José Carlos Paes, mas o expediente da pasta ficou prejudicado toda a manhã. A ocupação foi pacífica e não houve incidentes. A Polícia Militar apenas acompanhou a manifestação, à distância.

A seguir eles foram em passeata ao Ministério da Previdência, onde entregaram documento criticando o excesso de burocracia que praticamente impede as mulheres do campo de acessar benefícios previdenciários, como auxílio-maternidade e aposentadoria. "A burocracia foi feita para impedir a mulher de provar sua condição de camponesa e excluí-la do sistema", criticou Sandra Alves, da coordenação nacional do Movimento Camponês Popular (MCP).

A jornada de lutas, que começou na última segunda-feira, termina na sexta (8), dia internacional da mulher. Este ano, o lema escolhido foi "mulheres sem terra na luta contra o capital e pela soberania dos povos". O movimento, segundo Sandra, quer chamar a atenção da sociedade para "o modelo destrutivo do agronegócio, que ameaça a soberania alimentar do país e a vida da população brasileira". Isto, acrescentou, "afeta de forma direta a realidade das mulheres".

As ações foram organizadas a partir do acampamento central dos manifestantes, batizado de Hugo Chávez em homenagem ao líder bolivariano da Venezuela, morto na terça-feira (5). Na quarta, milhares de camponesas já haviam promovido um ato público em frente à embaixada venezuelana em solidariedade ao povo daquele país. As ações, conforme os organizadores, todavia, "representam um enfrentamento contra o retrocesso das conquistas dos trabalhadores do campo, em especial a Reforma Agrária".

Tudo o que sabemos sobre:
protestoMST

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.