Protesto no Rio tem tumulto e ativista revistado

A abordagem por policiais militares de um manifestante na Avenida Rio Branco, em frente ao Edifício Avenida Central, perto da Rua São José, provocou o primeiro tumulto da passeata dos professores em comemoração ao Dia do Mestre, no centro da capital fluminense, na noite desta terça-feira, 15. Houve tumulto e correria. O ativista foi revistado e liberado pouco depois, pois nada foi encontrado.

FELIPE WERNECK E MARCELO GOMES, Agência Estado

15 Outubro 2013 | 19h30

Há divergências sobre o número de manifestantes. Segundo a Polícia Militar, 5 mil pessoas participam da caminhada, enquanto o secretário estadual de Profissionais de Educação fala em 10 mil pessoas.

Os professores do município do Rio estão em greve desde 8 de agosto. Os profissionais recusam o plano de carreira enviado pelo prefeito Eduardo Paes (PMDB) e aprovado pela Câmara Municipal, pois consideram beneficiar apenas pequena parte da categoria.

Mais conteúdo sobre:
protestos professores Rio

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.