Protesto paralisa estudo sísmico da Petrobras na Nova Zelândia

A Petrobras informou na segunda-feira que o estudo sísmico que conduz no litoral da Nova Zelândia foi suspenso por um protesto de ambientalistas.

REUTERS

11 de abril de 2011 | 21h04

A estatal disse em comunicado enviado por e-mail que os ativistas pularam na água no domingo e bloquearam o Orient Explorer, embarcação que faz a exploração.

"A empresa segue rígidos procedimentos operacionais e não pode dar continuidade à pesquisa com segurança", afirmou a Petrobras, acrescentando que tem até maio de 2012 para completar o estudo e interpretar as informações.

Em 2010, a companhia recebeu permissão para fazer pesquisas sísmicas num bloco no litoral da costa leste da Ilha do Norte da Nova Zelândia e perfurar um poço de exploração avaliado em 118 milhões de dólares durante a vigência da licença.

(Reportagem de Denise Luna)

Mais conteúdo sobre:
ENERGIAPETROBRASNZELANDIA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.