Protesto próximo ao Palácio acaba em confronto

Terminou em confronto o protesto realizado nesta segunda-feira, 22, próximo ao Palácio Guanabara, sede do governo, em Laranjeiras, zona sul do Rio. A manifestação foi mantida a cerca de 200 metros do palácio. Às 19h45, um grupo lançou um coquetel molotov na direção dos policiais, que revidaram com bombas de gás lacrimogêneo. O papa Francisco já havia deixado o local.

FELIPE WERNECK E HELOISA ARUTH STURM, Agência Estado

22 de julho de 2013 | 20h53

O estudante de medicina Fellipe Camisão, de 24 anos, disse que atendeu um manifestante baleado na perna direita. "Ele estava com a namorada e foi baleado na perna. Não foi bala de borracha. Foi projétil de arma de fogo. Ele estava com hemorragia e estancamos o sangue", disse Camisão. O ferido é farmacêutico e foi colocado em um táxi para buscar atendimento. O Bope e o Choque faziam buscas por manifestantes pelo bairro até as 20h30.

Os manifestantes fizeram protesto pelo Estado laico e contra o governador Sérgio Cabral (PMDB). Os ativistas queriam seguir até a frente do imóvel, mas foram barrados por um cordão de isolamento feito por policiais militares. Quando o papa já estava na residência em que ficará hospedado, no Sumaré, eclodiu o confronto. Houve correria. O protesto começou bem humorado. Houve performance de mulheres seminuas, que simulavam a "confissão" de práticas reprovadas pela Igreja, como o sexo antes do casamento. Aparentemente chocados, peregrinos que passavam ao lado começaram a rezar o pai-nosso de mãos dadas.

Mais conteúdo sobre:
JMJpapaprotesto

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.