Provável premiê da Finlândia não vetará resgate a Portugal

O provável novo primeiro-ministro da Finlândia descartou propor grandes mudanças no pacote de resgate financeiro de Portugal, procurando apaziguar os temores de que seu novo governo bloqueie os planos da União Europeia e perturbe os mercados.

JUSSI ROSENDAHL, REUTERS

19 de abril de 2011 | 09h35

Jyrki Katainen, líder do partido Coalizão Nacional e encarregado de formar uma nova coalizão de governo, previu poucas alterações na postura finlandesa e disse que o país deve ser "responsável".

"Veremos o que é possível, mas de qualquer forma as mudanças não seriam muito grandes", declarou Katainen a repórteres. Ele disse que o atual governo ou aquele que ele espera comandar lidará com a questão do resgate financeiro de Portugal.

"A Finlândia precisa, para seu próprio bem, criar um programa de governo inteligente e responsável, que maximize nossa influência em todos os fóruns internacionais. Estou convencido de que podemos encontrar tal política."

No que pode ser visto como sinal ao partido anti-euro Verdadeiros Finlandeses, Katainen afirmou que todas as agremiação que se unirem à nova coalizão precisarão apoiar o programa do governo.

Os "verdadeiros finlandeses" emergiram como terceiro maior partido da eleição de domingo. Seu carismático líder, Timo Soini, disse esperar que a UE altere seus planos de socorro aos portugueses.

O parlamento finlandês, diferentemente de outros da zona do euro, tem direito de votar os pedidos de fundos de resgate financeiro da União Europeia.

A direitista Coalizão Nacional deve abordar os Verdadeiros Finlandeses e o opositor Sociais Democratas para discutir a formação de uma maioria governista.

Sixten Korkman, diretor-gerente do Instituto de Pesquisa da Economia Finlandesa, disse ser difícil prever como os partidos obterão consenso.

"Soini adotou uma linha particularmente dura neste assunto durante a campanha eleitoral, então deve ser difícil para ele se afastar deste tema, e muitas pessoas em seu partido teriam dificuldades em aceitá-lo."

Katainen disse estar preparado para um processo longo e árduo.

"Diria que é bom estar preparado para longas negociações", declarou.

Os verdadeiros finlandeses conquistaram 19 por cento dos votos no pleito, garantindo 39 das 200 cadeiras do parlamento -- haviam obtido cinco em 2007.

A Coalizão Nacional, que venceu a eleição com 20,4 por cento, tem 44 assentos, enquanto os Sociais Democratas, com 19,1 por cento, têm 42 cadeiras.

(Reportagem adicional de John Acher)

Mais conteúdo sobre:
FINLANDIAPREMIEPORTUGAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.