Guga Matos/JC Imagem
Guga Matos/JC Imagem

PSB descarta apoiar candidato ligado a Temer em 2018

Partido defende Alckmin na disputa à Presidência em troca de apoio do tucano a socialista Márcio França em SP

Erich Decat, O Estado de S.Paulo

14 Novembro 2016 | 06h00

BRASÍLIA - Apesar do discurso de que a prioridade no momento é ajudar o governo a tirar o País da crise, integrantes da cúpula nacional do PSB trabalham de olho no fortalecimento da legenda e descartam apoiar um nome do atual governo na disputa à Presidência da República em 2018.

“Temer já disse que não será candidato a presidente e a prioridade do PSB é fortalecer nosso projeto. O partido não tem compromisso eleitoral com o presidente Temer, tem compromisso de colaborar com a transição”, disse o secretário-geral da sigla, José Renato Casagrande. 

Em relação ao atual governo, restam inclusive críticas de falta de diálogo nas decisões na área econômica. “O governo Temer dialogou mais com o Congresso do que com os governadores e prefeitos, neste momento inicial, o que é ruim”, disse o governador de Pernambuco Paulo Câmara, herdeiro político de Eduardo Campos, morto em acidente aéreo durante a eleição presidencial de 2014.

Os planos da sigla para 2018 giram em torno de uma aliança nacional com o PSDB. A ideia tem como pano de fundo se mostrar competitivo na próxima eleição presidencial e dessa forma ter protagonismo tanto na disputa eleitoral como num futuro governo federal. 

Oo PSB planeja atrelar o apoio a uma candidatura do PSDB à Presidência à aliança com os tucanos para disputar o governo de São Paulo. O “sonho de consumo” dos socialistas é ter o governador Geraldo Alckmin como puxador de votos para o vice-governador, Márcio França (PSB), que deverá se candidatar ao governo estadual em 2018. 

“Nosso projeto seguro hoje é, além de reeleger os governadores atuais, ter São Paulo como prioridade”, afirmou o presidente nacional do PSB, Carlos Siqueira. “O próprio Márcio é defensor de uma relação nacional com o PSDB em 2018”, afirmou Casagrande. 

O dirigente ressalta que a posição defendida por França será discutida internamente. “O Márcio tem uma boa relação com o PSDB de São Paulo e projeta nacionalmente essa boa relação. Isso será debatido internamente, primeiro na Executiva, depois no Diretório Nacional, até chegar ao congresso do partido. Não tem nada de anormal essa posição dele”, disse Casagrande. A avaliação é compartilhada por Câmara. “Primeiro temos que discutir as nossas pautas. E em havendo confluências de opiniões e de caminhos é possível discutir com outros partidos”, disse.

Resistência. O senador Aécio Neves, também candidato virtual do PSDB à Presidência, encontra resistência por parte da cúpula do PSB. As relações ficaram estremecidas durante as eleições municipais. Os socialistas se ressentem de os tucanos terem lançado candidato em Recife, onde o prefeito, Geraldo Júlio (PSB), faz parte do grupo político de Campos. Outro ponto de atrito foi em Minas, onde o prefeito de Belo Horizonte, Márcio Lacerda (PSB), foideixado de lado e rompeu com Aécio.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.