PT prefere quebrar sigilos de Perillo a convocá-lo

A estratégia do PT para a sessão da CPI do Cachoeira desta terça-feira vai privilegiar a aprovação de requerimentos que peçam a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico do governador de Goiás, Marconi Perillo (PSDB), deixando para um segundo momento a convocação do tucano.

JEFERSON RIBEIRO, REUTERS

29 Maio 2012 | 13h53

Para que a estratégia seja colocada em prática, os petistas terão uma nova reunião nesta terça, pouco antes da sessão da comissão, e buscam ainda uma aproximação de posições com o PMDB.

Os dois partidos tentam evitar, por ora com estratégias individuais, a convocação do petista Agnelo Queiroz, governador do Distrito Federal, e do peemedebista Sérgio Cabral, governador do Rio de Janeiro.

Queiroz tem situação mais delicada porque é citado nas investigações policiais Vegas e Monte Carlo, que deram origem à CPI, que investiga a relação de Carlos Augusto Ramos, o Carlinhos Cachoeira, com agentes públicos e privados.

A aliança com o PMDB neste momento é fundamental porque garantiria apoio para quebrar os sigilos do governador tucano e evitaria a convocação de Queiroz e Cabral.

O deputado Cândido Vaccarezza (PT-SP) disse à Reuters que Perillo só deve ser convocado na CPI depois dos sigilos serem quebrados. "Ele já tem aquela história mal contada da venda da casa", argumentou o petista.

O relator da CPI mista, deputado Odair Cunha (PT-MG), também é contra ouvir imediatamente Perillo ou outros governadores. Segundo ele, se fossem à comissão agora os governantes usariam o depoimento para dar sua versão dos fatos e não poderiam ser contestados pelos parlamentares.

Contudo, colocar essa estratégia em prática não será fácil porque desde o começo dos trabalhos da comissão há muita pressão para que a CPI convoque os governadores, e o PSDB já disse estar disposto a convocar Perillo.

O PT também quer o apoio do PMDB para evitar a aprovação nesta terça de um requerimento que peça a quebra dos sigilos bancário, fiscal e telefônico da empreiteira Delta em nível nacional. Até agora, apenas os sigilos da unidade Centro-Oeste da empresa foram quebrados.

Nesse caso, segundo relato de um petista que pediu para não ter seu nome revelado, o partido prefere esperar o compartilhamento de informações da operação Saint-Michel da Polícia Civil do Distrito Federal.

O relator e os petistas têm informações de que essa investigação, já nas mãos do Ministério Público do DF, teria conseguido quebrar esse sigilo e esse material deve ser compartilhado com a comissão.

Essa posição petista também sofrerá resistências dos demais membros da comissão, já que há semanas há cobrança da maioria dos membros da CPI para que as investigações avancem sobre a atuação nacional da Delta.

A reunião da comissão nesta terça deve ser muito tensa. Além de debater temas como a convocação dos governadores, que atiçam a disputa partidária, há a denúncia da revista Veja de que o ex-presidente Luiz Inácio Lula da Silva teria se reunido com o ministro do Supremo Tribunal Federal (STF) Gilmar Mendes e oferecido blindagem na CPI em troca do adiamento do julgamento do mensalão.

A reunião entre Lula e o ministro, ainda segundo a revista, teria ocorrido em 26 de abril, um dia depois da instalação da CPI mista que investiga as ligações de Carlos Cachoeira com políticos e empresários.

Apesar de a oposição alegar que não vai apresentar requerimento para convocar Lula à CPI, pois seria rejeitado por falta de votos, petistas acreditam que o episódio pode ser usado para tentar desviar o foco das investigações.

A assessoria do ex-presidente confirmou o encontro com Mendes, mas negou o conteúdo da conversa revelado pela revista.

A CPI também deve apontar nesta terça quem será o vice-presidente da comissão. A escolha cabe ao presidente, senador Vital do Rêgo (PMDB-PB). Ele gostaria que o deputado Paulo Teixeira (PT-SP) assumisse o cargo, mas o PT prefere que o peemedebista escolha um senador do partido ou ainda outro parlamentar da base.

Vital do Rêgo disse que só anunciará a decisão durante a sessão desta terça.

Mais conteúdo sobre:
POLITICACPIPT*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.