Pulmão é furtado em exposição de corpo humano no Peru

Organizadores do evento oferecem recompensa de 2 mil dólares para quem devolver o orgão

REUTERS

06 de outubro de 2009 | 16h46

Um pulmão foi furtado em uma galeria do Peru, onde acontece uma exposição que exibe corpos humanos com órgãos reais e que já foi vista por milhões de pessoas no mundo todo, inclusive no Brasil.

O pulmão foi subtraído na última parte da exposição, em uma galeria que funciona em um bairro residencial da capital peruana, na qual os organizadores permitem que os visitantes toquem nos órgãos e em outras partes do corpo, como um estômago ou um fêmur.

"Roubaram um pulmão!", disse à Reuters, aflita, Susan Hoefken, gerente-geral da Impacto Produções, que trouxe a Lima a exposição "O Corpo Humano: Real e Fascinante."

De acordo com ela, o pulmão, retirado de um homem que morreu aos 45 anos, servia para explicar os danos causados pela poluição ambiental e pelo tabagismo passivo.

"Estamos fazendo a denúncia do roubo agora à polícia, mas queremos pensar que foi a travessura de uma criança ou um adolescente", afirmou Hoefken.

A exibição, inaugurada em Lima em junho, pertence à empresa norte-americana Premier e já passou por vários países. Na América Latina, esteve no Brasil, na Argentina e no Chile, e a partir do fim do mês deve ser aberta na Colômbia, segundo a responsável.

Estão expostos 12 corpos completos e mais de 200 órgãos reais, preservados pelo sistema de "polimerização", um processo de desidratação e plastificação das partes, que recuperam sua mobilidade com silicone líquido, explicou Hoefken.

Os organizadores ofereceram 2 mil dólares como recompensa a quem devolver ou recuperar o pulmão furtado.

Tudo o que sabemos sobre:
CIENCIAPERUPULMAOFURTO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.