Putin e Poroshenko se reunirão para discutir paz na Ucrânia e fornecimento de gás

Putin e Poroshenko se reunirão para discutir paz na Ucrânia e fornecimento de gás

Encontro deve amenizar embate sobre a decisão da Rússia de cortar o abastecimento para o país vizinho por causa da crescente dívida

ALEXEI ANISHCHUK E PAVEL POLITYUK, REUTERS

15 de outubro de 2014 | 10h13

Uma longa disputa sobre abastecimento de gás natural estará na agenda quando os presidentes russo, Vladimir Putin, e ucraniano, Petro Poroshenko, se reunirem na Itália no fim desta semana, disse o Kremlin.

Um comunicado do Kremlin emitido na noite de terça-feira disse que os presidentes da Ucrânia e da Rússia haviam conversado por telefone e discutiram medidas para restaurar a paz no leste da Ucrânia.

A próxima reunião deles em Milão é um sinal encorajador para Moscou, Kiev e para o Ocidente, em vista de um embate sobre a decisão da Rússia de cortar o abastecimento para a Ucrânia por causa da crescente dívida.

A Ucrânia enfrenta uma possível falta de energia neste inverno se nenhum acordo for alcançado, o que pode levar também à interrupção do abastecimento de gás para a Europa - o que aconteceu em 2006 e 2009. A Europa recebe um terço de sua demanda de gás da Rússia, e metade disso vem de gasodutos que passam pela Ucrânia.

Os líderes russo e ucraniano continuarão suas discussões nos bastidores de uma cúpula entre líderes europeus e asiáticos na qual ambos estarão, em Milão, dias 16 e 17 de outubro.

O presidente da Ucrânia disse nesta quarta-feira que “todo o mundo tem altas expectativas” desse encontro frente a frente.

Segundo declarou um alto assessor do Kremlin nesta quarta-feira, Putin e Poroshenko poderiam se encontrar na presença da chanceler alemã, Angela Merkel, e do presidente francês, François Hollande, na sexta-feira, e ele não descartou a possibilidade de os dois líderes pós-soviéticos conversarem depois separadamente.

Yuri Ushakov disse que Putin também realizará uma reunião a sós com Merkel em 16 de outubro ao chegar em Milão, antes do encontro com a Ucrânia.

A produtora russa de gás natural Gazprom GAZP.MM cortou o fornecimento para a Ucrânia em junho, após Kiev não ter pago dívidas que, segundo a Rússia, agora somam mais de 5 bilhões de dólares.

Os esforços para se chegar a um acordo foram complicados pelo conflito no leste da Ucrânia. O país e aliados ocidentais acusam a Rússia de fornecer ajuda a separatistas, algo que Moscou nega.

O conflito causou o maior impasse nas relações de Moscou com o Ocidente desde a Guerra Fria, e os EUA e a União Europeia impuseram sanções sobre a Rússia por conta da crise.

(Por Vladimir Soldatkin, Pavel Polityuk e Richard Balmforth em Kiev)

Mais conteúdo sobre:
RUSSIAUCRANIAGAS*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.