Que tal proclamar a independência de seu PC?

Com softwares livres mais sofisticados e fáceis de usar, é possível usar (quase) só programas abertos e gratuitos. Vale a pena?

23 Junho 2008 | 00h00

A profissional do terceiro setor Marcela Freitas, de 25 anos, usa porque quer liberdade. O estudante Gabriel Moreira, de 20 anos, porque tinha problemas no PC. O agente penitenciário Diógenes de Castro, de 28 anos, porque se encheu da mesmice. Até há pouco restrito a nerds e iniciados, o software livre sai do casulo e chega às pessoas "comuns". Já surgem "leigos" que não querem nem saber o que é código de programação, mas que vêem o software de código aberto, com interface cada vez mais simples, como uma alternativa viável ao onipresente Windows e demais programas proprietários, muitos deles pagos. Também é uma opção para quem não quer mais usar softwares piratas. Você já imaginou ter um PC totalmente "livre"? Se antigamente isso era sinônimo de complicação, programas como Ubuntu, BrOffice e Firefox tornaram ações como navegar na web, digitar textos, ouvir música e assistir a vídeos tão fáceis como no Windows, Office ou Internet Explorer. "Ao descobrir isso, abandonei os softwares pagos e troquei tudo por programas livres", diz Marcela. "Assim não fico na mão de uma só empresa (a Microsoft). Sou livre, não pago nada e nem recorro à pirataria." O maior ícone atual desse movimento é o Firefox, navegador de internet que pode ser instalado tanto em sistemas operacionais livres (o famoso Linux, do qual o Ubuntu é a versão mais bem-sucedida) como no próprio Windows. Na semana passada, o lançamento da versão 3.0 do programa mobilizou, em 24 horas, 8,3 milhões de pessoas, com 9 mil downloads por minuto. Em um dia, a nova versão já é usada por cerca de 4% dos internautas, aponta a Net Aplications. Não é uma virada, nem mesmo algo que "abale" as estruturas da Microsoft. Mas já mostra uma tendência de as pessoas buscarem outras opções. Hoje, o Internet Explorer (que já vem integrado ao Windows), é usado por 73,75% dos internautas. O Firefox, por 18,4%. Mas o navegador livre cresce. Há dois anos, tinha 10,7%; o Explorer, 84,1%. "Trabalhamos para que o software livre seja cada vez mais amigável, para ser uma alternativa", diz Fábio Filho, gerente do Ubuntu, um sistema operacional livre. "Queremos preservar o direito de escolha", diz o vice-presidente de marketing do Firefox, Paul Kim. Quer entrar na onda? Nesta edição, o Link apresenta as alternativas livres mais populares, explica como fazer para ter um PC totalmente (ou quase) livre e aponta se, no seu perfil, vale a pena. Também testamos a nova versão do navegador Firefox.

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.