Queixa de moradores faz rota de helicóptero de SP mudar

Dona da maior frota de helicópteros do mundo, com 470 aeronaves, São Paulo começa a alterar seu mapa de rotas aéreas. E a mudança vai começar pela região da Lapa, na zona oeste. Tudo porque os moradores de lá já não agüentavam mais a rotina de tantos helicópteros sobrevoando suas casas. O assistente de fotografia Alexandre Consoleto, de 32 anos, chegou a contar 95 passando sobre sua residência, na Vila Romana. Isso em apenas um dia: 12 de outubro. Após tantas reclamações, o Serviço Regional de Proteção ao Vôo de São Paulo (SRPV-SP) deve modificar, até o início de 2008, a rota que passa justamente sobre o bairro - o chamado corredor Externo - desviando os vôos para o eixo da Marginal do Tietê.A Associação Brasileira de Pilotos de Helicópteros (Abraphe) se antecipou à homologação da norma e fez acordo com seus associados para que eles não utilizem mais o corredor entre a Ponte do Jaguaré, na Marginal do Pinheiros, e o Estádio do Parque Antártica. Por enquanto, porém, abandonar a rota não é uma obrigação. O acordo foi firmado em 20 de outubro, mas até agora os moradores dizem não ter sentido diferença. ?Como (a mudança) ainda é só uma orientação, é difícil ter que depender da boa vontade dos outros?, diz o presidente da Associação de Moradores do Alto da Lapa, Roberto Rolnik. Ele conta que os vidros trepidam quando as aeronaves passam pela região. Nem mesmo nos feriados os moradores têm sossego. ?Nessas datas, às vezes o movimento é maior que na semana, pois muita gente viaja?, afirma Consoleto. As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

CAMILLA RIGI, Agencia Estado

17 de novembro de 2007 | 09h40

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.