Quem comeu, comeu...

Gourmets respondem se conseguiram matar a vontade do que desejaram

Redação,

05 de janeiro de 2009 | 10h28

Em dezembro de 2007 o Paladar perguntou a vários gourmets ‘o que você quer comer em 2008?’ Agora os mesmos personagens respondem se conseguiram matar a vontade do que desejaram e contam algumas de suas aventuras no ano que termina. Veja:  Andoni Luis Aduriz, chef do Mugaritz – Um dos grandes expoentes da nova cozinha espanhola, queria redescobrir o Brasil. Conseguiu. "Tive a felicidade de voltar ao país, estar com muitos amigos e cozinheiros que admiro, como Alex Atala, Claude e Thomas Troisgros. Conheci alguns produtos novos, mas ainda fiquei com vontade de visitar mais mercados. O Brasil é um país rico em cultura e talentos. É necessária uma vida toda para descobri-los."Otávio Piva de Albuquerque, empresário – "Meu sonho para 2008, ir a Montalcino, foi realizado pelo meu filho, Otávio, que passou a lua-de-mel lá. Em compensação, tive a minha maior experiência gastronômica, em abril deste ano, em Verona, onde jantei com os produtores Giacomo Neri e Leonard Humbrecht. O primeiro é da vinícola Casanova di Neri, que produz o Brunello, eleito em 2007 o melhor vinho pela Wine Spectator. O segundo é da Zind Humbrecht, considerada a melhor vinícola da Alsácia, que produz fantásticos vinhos brancos (um deles com 100 pontos do Parker). Jantamos num pequeno e charmoso restaurante, com vinhos desses produtores, e um menu que incluía foie gras, figos, pato recheado. Os dois não se conheciam: ficaram tão amigos – e gostaram tanto dos vinhos um do outro – que no final combinaram de trocar uma caixa."Pascal Barbot, chef do estrelado restaurante francês L’Astrance – O super chef francês queria retornar à América Latina e investigar as cozinhas locais. "Infelizmente não encontrei tempo para viajar até aí, mas espero fazer isso no próximo ano. Em 2008 tive uma excelente experiência: fui a Pequim, onde encontrei ótimos profissionais. Tive aulas sobre a técnica de preparar o pato de Pequim e o porquinho de leite. Também descobri os restaurantes de Sichuan e da Malásia... eu realmente adorei a cozinha de Pequim."Roberta Sudbrack, chef do restaurante homônimo – "Meu relacionamento com o maxixe este ano foi tão intenso e profundo quanto com o quiabo, instigante! Mas o mais sensacional foi vivenciar a entrega. Hoje as pessoas vão a meu restaurante dispostas a se entregar por inteiro, sem medo, sem pudores, vão fundo na experiência. O resultado foi fantástico. Durante o ano inteiro não houve um só cliente que não estivesse disposto a experimentar minhas criações com o maxixe, e olha que teve muita gente (brasileiros!) que nem conhecia o maxixe pessoalmente! Era um tal de descer o maxixe da cozinha num pratinho para ser apresentado o ano inteiro! Ano que vem o desafio continua!"Carla Pernambuco, chef do Carlota- "O Projeto do Brésil Bistrô foi adiado pelos investidores americanos e, por isso, não fui a Nova York. Este ano foi especial, de muitas viagens e projetos bacanas, entre eles um programa diário na rádio e uma coluna na revista RSVP sobre gastronomia. Também conheci e cozinhei em Moscou, na Rússia. Fui ao Peru e fiquei encantada com sua culinária latina com a influência asiática, muito próxima do que sempre fiz no Carlota. Também participei de uma viagem maravilhosa à Espanha, na região de Castilla La Mancha, ao sul de Madri. Deliciosa, emocionante... jamóns, turrón, queijos, azeites e vinhos. Fenomenal! E teve ainda Punta del Este e Paris! Foi um presente."Benny Novak, chef e sócio dos restaurantes Ici Bistrô e Tappo Trattoria – "Não consegui voltar ao Napa Valley nem comer no French Laudry como planejava, pois trabalhei muito e acabei não viajando para os Estados Unidos. Mas fui a Berlim e estive em um restaurante vietnamita muito bom chamado Monsieur Wong. É um lugar de cardápio curto que serve uma comida rápida. Em 2009, pretendo cuidar de meus filhos gêmeos e abrir mais um restaurante. Além de continuar tentando ir ao Napa Valley e San Francisco." Rosa Moraes, diretora do Centro de Gastronomia da Universidade Anhembi Morumbi - "Queria repetir o jantar com os melhores chefs do mundo no restaurante Charlie Trotter, em Chicago. Não consegui realizar meu desejo, pois não fizeram o jantar este ano. Em compensação fui a Puglia, na Itália, e me deliciei com os peixes frescos do Mar Adriático, especialmente os que comi no restaurante Batuccino."István Wessel , empresário – "Queria ir à Rússia provar um autêntico caviar em São Petersburgo. Não fui. Uma série de outras viagens o impediu. Mas fui comer patas de caranguejo em um restaurante que tem mais de cem anos e só funciona oito meses por ano, o Joe’s King Crab, em Miami." O especialista em carnes comeu dezenas de patolas, as mais saborosas que já provou. E com um maravilhoso ChambertinCarina Cooper, sommelière da Salton – "Não conheci o escritor inglês Hugh Johnson. Mas realizei desejos impensáveis. Em maio fui convidada para o encontro mundial de sommeliers em Jerez, na Espanha, e foi maravilhoso. Conversei com grandes produtores, provei um Jerez de 60 anos e participei de uma degustação vertical de Château d’Yquem conduzida pelo próprio enólogo, François Lurton, com safras que tinham intervalo de até 30 anos. Também fui à Rússia e à Itália. Ainda penso que foi um sonho. Em 2009 pretendo ir à Croácia e para onde mais o vento soprar."Maurizio Remmert, empresário (penúltimo à dir.) – "Não fui ao Dal Pescatore nem ao Le Calandre, mas consegui ficar mais tempo na Itália – ao todo, foram 24 dias. E não consegui ir ao El Bulli, como havia planejado. Viajei três vezes ao Peru, mas nenhuma com o Braulio (Pasmanik), porque ele não quis. Me empolguei com as cevicherías e o frango assado. Ano que vem vou tentar voltar lá com o Braulio, se ele não me der o cano. E quero voltar ao La Pergola, do Heinz Beck (em Roma), para conhecer mais a cozinha italiana."Lili Varella, gourmet, dona do bar Drosophyla – "Não consegui trazer ao Brasil um cozinheiro vietnamita, nem preparar um banquete com aquelas comidas maravilhosas. Servi apenas os rolinhos como entrada e eles fizeram o maior sucesso. Bom, mas consegui realizar outro desejo, que era o de comer, comer e não engordar (risos). Em fevereiro irei à China."Juliano Mendes, empresário – "Pretendia visitar algumas festas e feiras de cerveja na Europa. Não consegui. Uma série de contratempos impossibilitou a ida às festas da cerveja. A grande atração de 2008 ficou por uma série de jantares preparados pelo chef Emmanuel Bassoleil elaborados para harmonizar com as cervejas Eisenbhan."Fafá de Belém, cantora – "Apesar de viajar várias vezes por ano para Portugal, ainda não consegui realizar o desejo de comer novamente no restaurante Manuel Azinheirinha, que fica em Santiago do Cacém, no Alentejo. Acabo indo sempre para outros lados... Mas certamente realizarei esse sonho em breve." 

Tudo o que sabemos sobre:
gourmetsano novo

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.