Quênia diz que filho de funcionário do governo participou de ataque em universidade

O filho de um funcionário do governo queniano foi um dos homens armados e mascarados que mataram cerca de 150 pessoas em uma universidade, na semana passada, afirmou o Ministério do Interior neste domingo.

Edith Honan, Drazen Jorgic e Joseph Akwiri, REUTERS

05 Abril 2015 | 11h12

Igrejas quenianas contrataram guardas armados para proteger sua congregações nesta Páscoa. Papa Francisco condenou o ataque de quinta-feira em discurso neste domingo, rezando pelos mortos.

O porta-voz do Ministério do Interior Mwenda Njoka disse que Abdirahim Abdullahi era um dos quatro homens armados que invadiram o campus universitário em Garissa, cerca de 200 quilômetros da fronteira com a Somália.

Mais conteúdo sobre:
Quênia

Encontrou algum erro? Entre em contato

publicidade

publicidade

publicidade

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.