Quênia quer museu devolva restos de leões ''comedores de gente''

Leões de Tsavo ficaram famosos depois de ataques a 140 operários no século 19.

BBC Brasil, BBC

11 de setembro de 2007 | 12h00

O Quênia está tentando recuperar os crânios e as peles de dois leões que ficaram famosos por terem matado 140 operários que trabalhavam na construção de uma ferrovia no país, em 1898.Os restos mortais dos lendários leões de Tsavo estão atualmente no Chicago Field Museum, nos Estados Unidos, mas o Museu Nacional do Quênia diz que os animais representam uma parte importante da história do país e, portanto, deveriam fazer parte de seu acervo e de uma exposição itinerante que está sendo organizada."Vamos usar protocolos internacionais para repatriá-los...Seria bom tê-los de volta", disse Connie Maina, uma porta-voz do museu no Quênia.Os dois leões atacaram os trabalhadores da ferrovia entre Mombasa e Lago Victoria durante um período de 9 meses, em 1898, e causaram a suspensão das obras.Eles acabaram sendo mortos por um engenheiro britânico, o coronel John Patterson, que mais tarde vendeu os crânios e peles para o museu em Chicago.Em 1996, Hollywood levou a história dos leões de Tsavo para os cinemas. A Sombra e a Escuridão tinha um elenco que contava com Michael Douglas e Val Kilmer e ganhou um Oscar por edição de som.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.