Rachadura em espuma ameaça lançamento do Discovery

Um rachadura de 12,7 centímetros foi encontrada na espuma isolante que cobre o tanque externo de combustível do ônibus espacial Discovery. Administradores na Nasa discutem se o lançamento, marcado para esta terça-feira, deveria ser cancelado. A rachadura foi encontrada durante uma inspeção realizada durante a noite. O lançamento, inicialmente previsto para sábado e, depois, para o domingo, já havia sido adiado em ambas as ocasiões, por conta de más condições meteorológicas.Os inspetores encontraram a rachadura, que tem 3 milímetros de espessura, na espuma de um suporte a cerca de dois terços da altura do tanque, na face lateral que se volta para a nave. Foi o desprendimento de um pedaço de espuma, que em seguida se chocou com o revestimento do ônibus espacial, que causou a destruição do Columbia, em 2003. A localização da rachadura atual torna um novo acidente do mesmo tipo mais provável.Um porta-voz da empresa que constrói os ônibus espaciais, Lockheed Martin Space Systems Co., Marion LaNasa Jr., disse que não sabe se já houve desprendimento de espuma desse local em vôos anteriores. "Não sabemos se isso é um problema ou não", declarou o porta-voz da Nasa, George Diller. Administradores estão reunidos para decidir se o lançamento de amanhã pode prosseguir.Se a Nasa decidir seguir adiante, este será o primeiro lançamento de astronautas durante o feriado da independência dos EUA, 4 de julho, e a segunda decolagem de um ônibus espacial desde o desastre do Columbia.Preocupações com rachaduras na espuma do tanque externo assombram os ônibus espaciais desde a desintegração do Columbia, nos céus do Texas, em 1º de fevereiro de 2003. A tragédia ocorreu depois que um pedaço de espuma, que se desprendeu do tanque durante o lançamento, atingiu a asa do veículo, danificando o isolamento. Isso permitiu que, durante a reentrada na atmosfera, ar superaquecido penetrasse a nave.A Nasa tentou resolver o problema antes de voltar a lançar ônibus espaciais, mas durante o lançamento do Discovery em 2005, a espuma voltou a se desprender do tanque.O administrador da Nasa, Michael Griffin, havia decidido que o ônibus espacial deveria decolar em julho, a despeito da preocupação de engenheiros com a espuma isolante. Ele argumentava que, em caso de um dano que inviabilizasse a volta na nave para a Terra, os astronautas poderia aguardar resgate a bordo da Estação Espacial Internacional (ISS).A missão do Discovery, neste vôo, será testar as técnicas de inspeção da nave em órbita - em busca, exatamente, de problemas provocados no lançamento - entregar suprimentos para a ISS e deixar lá o astronauta alemão Thomas Reiter, para uma missão de seis meses.A previsão do tempo para esta terça-feira é melhor do que foram os prognósticos para sábado e domingo, com 40% de chance de que uma tempestade no horário marcado impedir o lançamento.Ampliada com novas informações às 13h49

Agencia Estado,

03 de julho de 2006 | 11h28

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.