Racismo trabalhista impede Obama britânico; diz 'Times'

Líder do órgão que fiscaliza igualdade no país aponta 'barreira institucional'.

Da BBC Brasil, BBC

08 Novembro 2008 | 09h00

A depender do Partido Trabalhista, a Grã-Bretanha jamais poderia eleger Barack Obama para primeiro-ministro do país, de acordo com uma entrevista em destaque no diário The Times deste sábado.A manchete do tradicional jornal reflete a opinião do líder da Comissão de Igualdade e Direitos Humanos do país, Trevor Phillips, que acusa os trabalhistas britânicos de "racismo institucionalizado".Phillips afirma, em entrevista ao Times que o povo britânico votaria em um líder negro, mas sustenta que o sistema político vigente impediria a ascensão de um representante de minorias étnicas no país."Se Barack Obama morasse aqui, me surpreenderia muito, se mesmo alguém tão brilhante quanto ele conseguisse romper a barreira institucional que impera no Partido Trabalhista", afirmou Phillips, segundo o diário.Ele afirmou ainda existir uma "resistência institucional" à seleção de candidatos negros e de origem asiática (classificação que em geral costuma ser aplicada na Grã-Bretanha a imigrantes da Índia, Paquistão ou Bangladesh).O próprio Phillips, ex-jornalista de origem negra, já foi eleito pelo Partido Trabalhista para a Assembléia de Londres."Partidos e sindicatos não têm problemas em aceitar a idéia geral de que é preciso avançar nas causas das minorias, mas na prática, eles gostariam que outros tomassem a iniciativa", afirmou Phillips, que na entrevista ao Times chegou a dizer que o Partido Conservador britânico teria feito "progresso mais rápido" neste sentido.O Partido Trabalhista afirmou "se orgulhar do histórico de promover candidatos de minorias étnicas".No entanto, o jornal britânico cita vários parlamentares trabalhistas pertencentes a minorias que dizem concordar com as opiniões de Phillips.BBC Brasil - Todos os direitos reservados. É proibido todo tipo de reprodução sem autorização por escrito da BBC.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.