Radiação de celular afeta cérebro, afirma estudo

CHICAGO

, O Estado de S.Paulo

24 de fevereiro de 2011 | 00h00

Ficar com o telefone celular colado à orelha por 50 minutos é suficiente para alterar a atividade neuronal na parte do cérebro mais próxima da antena, afirma estudo dos Institutos Nacionais de Saúde (NIH) dos Estados Unidos publicado no Journal of the American Medical Association.

Os cientistas ressaltam que não está claro se o efeito é nocivo e a possibilidade de vínculo entre o uso de celulares e câncer no cérebro ainda não pode ser determinada. "Demonstramos que há aumento no metabolismo da glicose no cérebro de gente que estava exposta ao celular, na zona mais próxima da antena", disse Nora Volkow, líder da equipe de pesquisadores. Ela se declarou surpresa pela descoberta de que a frágil radiação eletromagnética dos celulares pode afetar a atividade cerebral.

Estima-se que existam, em todo o mundo, cerca de 5 bilhões de aparelhos do tipo. / REUTERS

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.