Radialista é morto quando chegava para trabalhar no PR

Vítima foi socorrida, mas não resistiu ao ferimento; bala atingiu o tórax do radialista

Evandro Fadel, Agência Estado

26 Março 2012 | 15h25

CURITIBA - O radialista Divino Aparecido Carvalho, de 45 anos, conhecido como Carvalho Júnior, foi morto na manhã desta segunda-feira, 26, quando chegava para trabalhar na Rádio Cultura AM, de Foz do Iguaçu, no oeste do Paraná. Ele recebeu um tiro, que atravessou a mão e atingiu o tórax. Ele apresentava o Show da Cultura, um programa de variedades que começava às 5 horas da manhã.

De acordo com o delegado de Homicídios de Foz do Iguaçu, Marcos Araguari de Abreu, testemunhas disseram ter ouvido três disparos. No entanto, apenas um acertou a vítima, no momento em que ele descia do carro. A polícia descartou a ideia de assalto, pois nenhum pertence do radialista foi levado.

Mesmo atingido, Carvalho Jr conseguiu ligar o carro e andou por cerca de 200 metros entrando no local onde funciona o Serviço de Atendimento Móvel de Urgência (Samu) e a Guarda Municipal. Sem controle do carro, acabou batendo contra uma ambulância e teve o corpo projetado para frente. Ele foi levado para o Hospital Municipal, mas não resistiu.

Jornalista. Na noite de sábado, o sócio-proprietário do jornal Costa Oeste, de Santa Helena, município distante cerca de 100 quilômetros de Foz do Iguaçu, Onei de Moura, foi morto quando bebia com amigos em frente a uma distribuidora de bebidas. Hoje pela manhã, o suspeito do crime, Sérgio Adriani Schwann, de 42 anos, apresentou-se à polícia e levou o revólver calibre 38 que teria usado.

De acordo com o delegado Sérgio Luiz Alves, o suspeito alegou que Moura devia-lhe R$ 4,3 mil havia aproximadamente cinco anos. Ele já teria pago parte da dívida, mas, na noite de sábado, encontraram-se em um bar e a questão voltou à tona. Schwann disse que recebeu ameaças de morte por parte de Moura. Ele contou que foi à casa do sogro e avisou que iria buscar gelo, mas não sabia que Moura estava na distribuidora. Chegando lá, teria decidido matá-lo. O delegado ouve testemunhas e faz outros levantamentos para decidir se pede a prisão preventiva.

 

Mais conteúdo sobre:
violênciaPR

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.