Radiotelescópio do SETI@home pode ser desativado em 2011

O radiotelescópio de Arecibo, que preenche uma cratera em Porto Rico e já serviu de cenário para filmes como Contato e Goldeneye, pode deixar de operar em 2011, como parte de um corte de verbas para programas de astronomia financiados pela Fundação Nacional de Ciência (NSF) dos EUA. O corte é recomendado em um relatório apresentado ao comando da NSF.O radiotelescópio de Arecibo é parte importante do programa de busca por inteligência extraterrestre, o chamado projeto SETI. O sistema SETI@home, instalado em milhões de computadores de voluntários de todo o mundo, e que trabalha buscando sinais de inteligência em emissões de rádio vindas do espaço, analisa material captado por Arecibo. A NSF encomendou o relatório que sugere o fechamento de Arecido há um ano, em busca de meios para financiar novas instalações - como o Large Millimeter Array, um arranjo de 64 radiotelescópios, em construção no Chile - que terão um impacto de US$ 191 milhões ao ano sobre os programas de astronomia.As recomendações do comitê encarregado do relatório sugerem que a NSF encontre parceiros dispostos a bancar tanto Arecibo quanto o Very Long Baseline Array, uma rede de 10 radiotelescópios espalhados em território americano. Se a parceria não for viabilizada até 2011, as instalações deveriam ser desmanteladas, diz o texto."Levamos o relatório a sério", disse o diretor da NSF, Arden Bement, ouvido pelo serviço noticioso online da revista Science, o ScienceNOW. "Pretendo agir com base nele".HistóriaEm 1974, o telescópio foi usado para transmitir o chamado sinal de Arecibo, uma mensagem em código destinada a civilizações que possam existir no espaço. O sinal consiste de 1679 bits, que podem ser organizados para formar um gráfico, mostrando, entre outras coisas, o Sistema Solar, uma molécula de DNA e uma visão esquemática de um ser humano.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.