Ranking do Enem melhora nota de estudante, diz pesquisa

Análise da FGV mostra que divulgação dos dados por escola da prova do Enem tem impacto positivo

Carolina Stanisci, O Estado de S.Paulo

22 de agosto de 2011 | 00h00

ESTADÃO.EDU

Alunos que tiveram a nota do Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) divulgada têm desempenho melhor, na edição seguinte da prova, do que aqueles que não tiveram sua performance publicada pelo Ministério da Educação (MEC), segundo pesquisa da Fundação Getulio Vargas (FGV).

Para chegar aos resultados, o grupo de pesquisadores da Escola de Economia da FGV considerou o universo das escolas da região metropolitana de São Paulo que fizeram o Enem de 2005. Foram separadas duas categorias: colégios, públicos e privados, que tiveram as notas publicadas e aqueles que não tiveram - o MEC não torna público o resultado de escolas com menos de 10 alunos inscritos.

Os professores que conduziram a pesquisa - Vladimir Ponczek, Braz Camargo, Rafael Camelo e Sergio Fipe - compararam escolas com número parecido de alunos. Depois, checaram o desempenho de todos esses estudantes no Enem 2007.

"Observamos uma diferença considerável na pontuação, de cerca de 3 a 15 pontos, dos alunos que tiveram sua nota divulgada", afirmou Ponczek. "Como vimos pelo censo do MEC que as escolas da amostra com resultado publicado não tinham mudado sua infraestrutura, interpretamos que houve um esforço da escola ou dos estudantes."

O professor diz que o fato de as notas em provas do Enem não serem comparáveis, como são hoje por causa da Teoria da Resposta ao Item (TRI), não interferiu nos resultados, pois a pesquisa analisou o impacto da divulgação em uma edição seguinte.

Propaganda. Defensor de que a publicidade das notas é sempre benéfica, Ponczek questionou a decisão do MEC de mudar o modo de divulgar os resultados do Enem por escolas, como anunciou o ministro Fernando Haddad. A medida tem como objetivo evitar a criação de rankings entre os colégios, que depois podem ser usados com fins publicitários.

"No meu entender qualquer medida que vise a restringir a divulgação é um retrocesso", diz. "A propaganda não é ruim. Danosa é a falsa informação, como a escola que diz ser muito boa, mas só seleciona os melhores para o Enem."

O estudo mostra ainda que a melhora na nota só foi detectada nas escolas privadas. Para o professor, o fato de a escola estar inserida no mercado, sob pressão, a faz buscar melhores índices; já a pública, não.

PARA LEMBRAR

A divulgação dos dados por escola do Enem de 2010 vai contar com a taxa de participação de alunos por unidade. As notas saem em 15 dias. A intenção é, segundo o ministro Fernando Haddad, informar à sociedade a taxa de participação proporcional dos alunos por escola, de forma a evitar que algumas usem o exame como publicidade.

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.