Rapaz faz criança refém e se mata no interior de São Paulo

Homem acabou ferindo enteada no pescoço antes do suicídio, na cidade de Mirassol; menina foi internada

Elvis Pereira e Chico Siqueira, estadao.com.br e O Estado de S.Paulo

20 Novembro 2008 | 16h52

Armado com uma faca, um rapaz manteve a filha da sua ex-companheira refém por cerca de uma hora e meia, na tarde desta quinta-feira, 20, em Mirassol, interior paulista. O cárcere terminou quando Jackson Adriano dos Santos, de 22 anos, feriu a vítima, de 6 anos, no pescoço e, em seguida, cometeu suicídio. "Ele não se conformava com o fim do relacionamento [de dez meses] com a mãe da menina, segundo informações iniciais", afirmou o titular da delegacia do município, Marcelo Rogério Barozzi.   Santos invadiu a casa de Mirella Quebara, de 20 anos, no Pátio da Fepasa, centro da cidade, no fim da manhã e levou a filha dela, M.E.Q.B., para o banheiro. O avô da vítima ligou para a polícia, que seguiu para a residência e tentou negociar com o acusado. "Ele queria a mãe, mas não aceitamos, pois daí teria duas reféns", contou o capitão Rogério Longhi Santos, que comandou as negociações.   Por volta das 14 horas, os policiais ouviram gritos da garota e quando se preparavam para invadir o banheiro, a porta se abriu e a menina saiu, suja de sangue. Depois de socorrer a garota, os PMs entraram no banheiro e encontraram Jackson morto, com um profundo corte no pescoço. "O banheiro estava lavado de sangue".   Sem saber o que acontecia, cerca de 200 pessoas que acompanhavam o caso do lado de fora, tentaram entrar na casa e só se acalmaram depois que saber que Jackson estava morto.   A menina foi levada ao Hospital de Base de São José do Preto e internada às 19 horas na Unidade de Tratamento Intensivo (UTI). Ela teve um corte profundo no pescoço e precisou passar por cirurgia e transfusão de sangue, mas segundo a PM, não corria risco de morte. Além do crime, Barozzi pretende apurar a origem dos quatro caça-níqueis apreendidos na casa da vítima.   Atualizado às 19h55 para acréscimo de informações

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.