Rato teria sido achado em salgadinho

Dona de casa de Joinville (SC) diz ter encontrado roedor morto em produto da Elma Chips; empresa diz que falha 'não é possível'

CARLOS KAZUO INOUE , ESPECIAL PARA O ESTADO , FLORIANÓPOLIS, O Estado de S.Paulo

14 de outubro de 2011 | 03h01

Um menino de 5 anos de Joinville (SC) consumiu um pacote de salgadinhos no qual foi encontrado um rato morto, segundo sua mãe. O produto é da marca Elma Chips, da empresa PepsiCo, a mesma que neste mês enfrentou problemas com embalagens do achocolatado Toddynho contaminadas por detergente (mais informações nesta página).

Na segunda-feira, o menino abriu e embalagem e começou a comer o salgadinho. Ofereceu ao irmão mais velho, que estranhou o mau cheiro e chamou a mãe, Angela Maria Ziele. No primeiro momento, acharam que estava estragado. "Mas não pode. O produto foi comprado agora e aberto agora", disse ela. O susto veio quando ela constatou que havia um pequeno rato morto no meio do produto.

Angela ficou preocupada com a possibilidade de seu filho ficar doente, mas o garoto não havia apresentado nenhum sintoma até ontem. Ela voltou ao supermercado, onde o proprietário verificou se havia algum problema com outros pacotes na mesma prateleira, mas não foi encontrado nada suspeito.

Fiscal de Vigilância Sanitária de Joinville, Gean Carlos Kuhlkamp, em entrevista a uma emissora de TV, explicou que seria feita coleta e posterior análise do produto e outros do mesmo lote no estabelecimento onde foi adquirido. Tudo seria enviado ao Laboratório Central de Saúde Pública, em Florianópolis, que nada havia recebido até o início da noite de ontem.

Defesa. A PepsiCo explicou que tomou conhecimento do caso anteontem, após Angela chamar o Serviço de Atendimento ao Consumidor (SAC).

Em nota, a empresa afirmou que "não é possível que tenha havido contaminação no processo de empacotamento na fábrica ou armazenamento na filial de vendas da empresa". Isso porque, de acordo com a PepsiCo, "nenhum produto Elma Chips é comercializado sem prévia análise do interior da embalagem". A companhia reitera que "os serviços de limpeza e controle de pragas são realizados de forma criteriosa e periódica em todas as fábricas e filiais de vendas".

A empresa diz que enviou uma equipe "à residência da consumidora a fim de obter mais informações para análise. Apesar de a consumidora ter se negado a entregar a embalagem, foi possível rastrear o produto com base na numeração do lote e data. As análises levaram em conta a documentação do sistema de detecção de materiais estranhos (raio X) da fábrica em Itu, São Paulo".

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.