Ratos felizes sugerem tratamento da depressão

Uma nova raça de ratos, permanentemente "felizes", pode abrir caminho para novos tratamentos contra a depressão. Cientistas desenvolveram um tipo de rato sem o gene TREK-1, que afeta a transmissão da serotonina no cérebro - sabe-se que a serotonina desempenha um papel importante no humor, sono e sexualidade. Desprovidos do gene, os ratos se mostraram resistentes à depressão. Detalhes do estudo estão publicados na revista Nature Neuroscience.Segundo os autores do trabalho, os ratos geneticamente modificados, testados em uma série de exames de comportamento, físicos e bioquímicos, reagiram como se estivessem "sendo tratados com antidepressivos há três semanas". De acordo com os pesquisadores, esta é a primeira vez que a depressão é eliminada por meio de manipulação genética.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.