Raúl Castro inicia visita oficial à Argélia

O presidente cubano, Raúl Castro, iniciou neste sábado uma visita oficial de três dias à Argélia, sinalizando a continuidade dos fortes vínculos entre os dois países. Cuba ajudou o país africano a se libertar do domínio colonial há quase meio século. Os países foram aliados da extinta União Soviética durante a Guerra Fria. O governo cubano enviou armas e ajuda civil aos rebeldes da Frente de Libertação Nacional da Argélia e estreitou as relações de amizade com o país, após sua independência em 1962. "Argélia e Cuba têm estado unidos durante meio século, na primeira linha de luta pela liberdade", divulgou o jornal argelino El Moudjahid. O Granma, jornal do Partido Comunista de Cuba, também anunciou neste sábado a visita de Raúl Castro à Argélia. Raúl Castro, de 77 anos, sucedeu seu irmão, Fidel, na presidência de Cuba há um ano. Desde então, tem diversificado as alianças estratégicas do país, centralizadas na Venezuela, e buscado relações com países como Brasil e Rússia. O presidente cubano chega à Argélia, importante produtor de petróleo e gás, após concluir visitas oficiais à Rússia e a Angola, dois importantes aliados durante a Guerra Fria. Na Rússia, onde ficou uma semana, Castro conseguiu promessas de ajuda e créditos comerciais de cerca de 354 milhões de dólares, enquanto em Angola, firmou acordos de cooperação. Fidel Castro viajou pelo menos sete vezes à Argélia, desde a década de 1960. Sua última viagem ao país foi em 2001. Cuba fornece ajuda ao país africano, através do envio de médicos e tecnologia para a produção de vacinas contra a Hepatite B.

REUTERS

07 de fevereiro de 2009 | 16h50

Tudo o que sabemos sobre:
ARGELIACASTRO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.