Reabilitação de lago mexicano é tema do Fórum Mundial da Água

O projeto mexicano para a recuperação do lago Texcoco, onde se desenvolveu a civilização Azteca e que encantou o conquistador espanhol Fernando Cortés em 1521, será um dos temas centrais do 4º Fórum Mundial da Água que acontecerá na Cidade do México, a partir de quinta-feira.Estarão presentes no Fórum cerca de dez mil pessoas, incluindo ministros de 130 países, para debater as possíveis soluções para a crise mundial de recursos hídricos e compartilhar as medidas particulares que já são aplicadas no problema.Os cientistas mexicanos explicarão como foram recuperadas as águas residuais do lago Texcoco, que fica em uma região árida, de alta salinidade. Há três décadas havia um terreno seco no lago Texcoco, e atualmente é habitado por corujas, pássaros, andorinhas, borboletas, mariposas e beija-flores.Quase quatro séculos depois de secar, o lago Texcoco foi convertido por especialistas em uma massa de água artificial, onde vivem diversas espécies de aves e, em suas imediações, há uma vegetação resistente à altas condições de salinidade.O projeto apresenta um orçamento anual de US$ 2,8 milhões e começou em 1971. Os responsáveis pelo projeto são a Comissão Nacional da Água (Conágua) e o Centro Mexicano de Capacitação de Água e Saneamento (Cemcas).O lago Texcoco é um grande espelho de água, com 12 quilômetros de diâmetro, e possui 36 milhões de metros cúbicos de água, além de ajudar na detenção da erosão nas proximidades e no subsolo, afirmam os cientistas da Conágua. O outro ladoMas apesar de ser usada como exemplo para o Fórum, a Cidade do México provavelmente seria reprovada em todos os cinco tópicos que serão discutidos no evento: Como a água pode ser usada para o crescimento, ser fornecida com maior eficiência, melhor beneficiar os pobres, ser usada ecologicamente, e ser impedida de causar desastres naturais. Muitas das 20 milhões de pessoas que vivem nesta metrópole recebem pouco mais de uma hora de água corrente por semana, enquanto quase todo abundante fluxo de água da chuva é jogada sem uso nos esgotos. Os sistemas de fornecimento de água da cidade não servem ninguém bem. Quase todas as pessoas compram água engarrafada ou caros sistemas caseiros de água. Mas serve os pobres ainda pior. Para muitos, água ruim ou nenhuma água é apenas mais um fato cotidiano.

Agencia Estado,

13 de março de 2006 | 18h53

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.