Reação das árvores à mudança climática é lenta, diz estudo

Análises genéticas de pinheiros vivos no Ártico oferecem forte evidência a favor da presença de um refúgio de árvores no Alasca, durante o ápice da última era glacial, e sugere que populações de árvores não são capazes de migrar em resposta a mudanças climáticas tão depressa quanto se acreditava. O levantamento e análise do DNA, chefiado por pesquisadores da Universidade de Illinois em Urbana-Champaign, Serta publicado online pelo periódico Proceedings of the National Academy of Sciences."O pinheiro branco (Picea glauca) é a espécie dominante nas florestas boreais na América do Norte", diz Lynn L. Anderson, principal autor do trabalho. "Com o aquecimento global, precisamos estudar como populações de animais e plantas reagiram à mudança climática no passado, para prever melhor o que ocorrerá no futuro".No trabalho, os pesquisadores analisaram o DNA dos cloroplastos de 24 florestas de pinheiros do Alasca e do Canadá. Como o DNA do cloroplasto contém genes herdados de apenas um dos pais da árvore, evita-se a confusão provocada pela recombinação dos genes. Os cloroplastos são estruturas, dentro da célula vegetal, que contêm a clorofila."Encontramos um padrão significativo na distribuição geográfica de partes do DNA de cloroplasto", disse Anderson. Esses dados ajudam a resolver uma controvérsia sobre o modo pelo qual as árvores migraram em resposta às mudanças climáticas do passado, diz Feng Sheng Hu, co-autor do artigo. "Uma visão é de que as árvores ficaram restritas a áreas ao sul da capa de gelo que cobriu a América do Norte, e migraram rapidamente para o norte quando o clima esquentou", disse Hu. "A outra é de que havia um refúgio nas áreas livres de gelo do norte, e os pinheiros se espalharam nessas áreas... Agora parece claro que o refúgio glacial existiu".Os mesmos dados sugerem que a taxa de migração das árvores foi mais lenta do que se pensava. "Nossos resultados sugerem que a capacidade das árvores de acompanhar o aquecimento global é mais limitada" do que se supunha, disse Hu.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.