Realização de lucros e cautela de bancos derrubam bolsas nos EUA

As bolsas de valores dos Estados Unidos encerraram o pregão desta sexta-feira em queda, enquanto investidores realizavam lucros seguindo uma recente onda de altas e as ações de bancos caíam, após executivos sugerirem que março tem sido um mês mais duro para a indústria que os dois anteriores.

CHUCK MIKOLAJCZAK, REUTERS

27 de março de 2009 | 18h14

O índice Dow Jones, referência da bolsa de Nova York, fechou em baixa de 1,87 por cento, a 7.776 pontos. O termômetro de tecnologia Nasdaq perdeu 2,63 por cento, para 1.545 pontos. O índice Standard & Poor's 500 teve desvalorização de 2,03 por cento, a 815 pontos.

Depois de um encontro com o presidente norte-americano, Barack Obama, o presidente-executivo do JPMorgan, Jamie Dimon, disse que março foi "um pouco difícil" em comentários para a rede de televisão CNBC. As ações do banco caíram quase 5 por cento.

O principal executivo do Bank of America seguiu o comentário, afirmando que os registros de operações do banco número 1 dos Estados Unidos ficaram abaixo dos contabilizados nos dois meses anteriores.

Os comentários pessimistas sobre lucros de bancos contrastaram com notícias mais positivas no início do mês, que haviam ajudado o índice S&P 500 a avançar mais de 20 por cento desde o dia 9 de março, quando atingiu suas mínimas em 12 anos.

A mudança no humor com relação aos bancos provocou uma liquidação, uma vez que investidores realizaram lucros conseguidos durante o recente período de altas.

"Dado o momento em que o rali começou na segunda semana do mês, com o Citigroup e o Bank of America divulgando que tiveram bons dois primeiros meses (de 2009), faria sentido que os comentários dele tivessem um impacto negativo", disse Peter Jankovskis, diretor de pesquisa na OakBrook Investments LLC em Lisle, Illinois.

Mais conteúdo sobre:
WALLSTFECHA*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.