EFE/EPA/OLEG PETRASYUK
EFE/EPA/OLEG PETRASYUK

Rebeldes lutam por território antes de cessar-fogo na Ucrânia

Os combates se intensificaram neste sábado no leste da Ucrânia enquanto rebeldes separatistas tentavam incorporar mais territórios antes do início do cessar-fogo, à meia-noite, disse um militar ucraniano.

REUTERS

14 Fevereiro 2015 | 12h38

A trégua prevê a criação de uma zona neutra e a retirada de armas pesadas, responsáveis por muitas das 5 mil vítimas em um conflito que teve início há quase um ano e resultou na pior crise nas relações entre Rússia e o Ocidente desde a Guerra Fria.

"Antes da meia-noite, rebeldes estão tentando completar planos taticamente importantes para ampliar o território sobre seu controle, principalmente na direção de Debaltseve", disse o porta-voz Andriy Lysenko em um comentário diário exibido pela televisão.

Debaltseve, um estratégico centro de transporte a nordeste da fortemente controlada por rebeldes, tem sido o foco de alguns dos mais violentos combates nas últimas semanas.

O barulho de um pesado bombardeio podia ser ouvido em um posto de controle rebelde a dez quilômetros de Debaltseve, disse uma testemunha da Reuters, relatando rodadas de artilharia disparadas a cada minuto.

Uma coluna de novos veículos e artilharia militares passou pelo posto de controle na direção de Debaltseve. O posto foi ocupado por algumas dúzias de combatentes de aparência profissional.

Sob a condição de anonimato, um rebelde do posto de controle afirmou que combatentes locais estavam sendo apoiados por "convidados da Rússia".

O porta-voz Lysenko afirmou que as forças separatistas continuavam a receber reforços de combatentes e equipamento militar através da fronteira oriental da Ucrânia com a Rússia nas últimas 24 horas.

Moscou nega estar ajudando os separatistas com equipamentos e tropas, embora autoridades ocidentais citem evidências do contrário.

Sete funcionários ucranianos foram mortos e 23 foram feridos em combate contra separatistas no leste da Ucrânia nas últimas 24 horas, disse Lysenko.

(Reportagem adicional de Pavel Polityuk)

Mais conteúdo sobre:
UCRANIAMORTOSMILITARES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.