Rebeldes sírios negam ataque com arma química e culpam governo

Um comandante rebelde sírio negou, nesta terça-feira, relato da mídia estatal de que as forças de oposição estavam por trás de um ataque com arma química em Aleppo, e disse que o governo tinha disparado um míssil com agentes químicos na cidade de Khan al-Assal.

Reuters

19 de março de 2013 | 08h41

"Nós estávamos ouvindo relatos desde cedo esta manhã sobre um ataque do regime em Khan al-Assal, e nós acreditamos que eles dispararam um (míssil) Scud com agentes químicos. Então, de repente, soubemos que o regime estava transformando esses relatos contra nós", disse Qassim Saadeddine, um dos líderes rebeldes e porta-voz do Conselho Superior Militar, em Aleppo.

"Os rebeldes não estavam por trás deste ataque", acrescentou.

(Reportagem de Erika Solomon)

Tudo o que sabemos sobre:
SIRIAREBELDESNEGAM*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.