Rebelião em Recife deixa dois mortos e 11 feridos

Depois de três horas e meia de rebelião dos detentos recolhidos nos pavilhões A e B do Presídio Aníbal Bruno, em Recife, sexta-feira à noite, o saldo era dois mortos e 11 feridos, que foram socorridos aos hospitais Otavio de Freitas e Agamenon Magalhães. O motivo da rebelião, segundo a Secretaria de Ressocialização (Seres), foi o descontentamento dos presos com a inspeção de rotina realizada pela guarda na área em que se realizaria a visita íntima das mulheres dos presos, neste sábado.O tumulto começou às 18h30, quando os primeiros revoltados começaram a atear fogo em colchões e quebrar móveis e outros objetos de madeira para alimentar as chamas. O fogo atingiu as instalações elétricas provocando o corte do fornecimento de energia. A rebelião foi controlada por volta das 22 horas, com a entrada de mais de 150 policiais militares do Batalhão de Choque e da Companhia Independente de Operações Especiais (Cioe).Em conseqüência da escuridão, não foi possível realizar a contagem dos detentos, o que só será realizado na manhã de hoje. Com capacidade para 1.448 internos, o Presídio Aníbal Bruno tinha na noite de sexta-feira, uma população carcerária de 3.918 homens. Não se sabe ainda se alguém aproveitou a confusão da rebelião para fugir.

OSWALDO FAUSTINO, Agencia Estado

12 de janeiro de 2008 | 07h20

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.