Rede particular de SP têm 2ª pior queda na nota do Enem

Nota no Enem diminuiu 13,1 pontos em relação a 2007; por causa disso, Estado caiu do 1.º para 3.º lugar no País

Agência Estado

21 Novembro 2008 | 07h49

A nota da rede particular de São Paulo no Exame Nacional do Ensino Médio (Enem) caiu 13,1 pontos neste ano, se comparada à registrada em 2007. Foi a segunda maior queda no País, inferior apenas à das escolas privadas de Goiás. A diminuição da nota na prova objetiva, de 71,6 para 58,5, fez com que os alunos paulistas da rede particular deixassem a primeira colocação no Brasil e caíssem para a terceira.         Veja também:  Quem se forma após 2008 tem nota melhor TV Estadão corrige a prova da Fuvest ao vivo no domingo O resultado do Enem foi divulgado ontem pelo Ministério da Educação (MEC) e mostram que, no geral, as notas dos alunos nas 63 questões (parte objetiva) caíram. A média do exame - realizado por 2,9 milhões de jovens no País, em agosto - foi de 41,69, ante 51,52 em 2007. Na redação, subiu de 55,99 para 59,35. A nota varia de 0 a 100. Os resultados por escola e por município serão divulgados somente no ano que vem. Segundo o presidente do Instituto Nacional de Estudos e Pesquisas Educacionais (Inep/MEC), Reynaldo Fernandes, o Enem tem níveis de dificuldade diferentes de um ano para outro e por isso é complicado comparar as notas. Outros exames, como a Prova Brasil, são feitos com uma calibragem para que tenham sempre o mesmo nível de dificuldade e possam, assim, avaliar o sistema como um todo.       O Enem é um exame voluntário, criado em 1998, para avaliar os alunos que estão concluindo ou já concluíram o ensino médio. A nota atualmente é essencial para a seleção no Programa Universidade para Todos (ProUni), que dá bolsas para alunos de escolas públicas em faculdades privadas. Os estudantes podem consultar suas notas no site. Os estudantes podem consultar suas notas no site.     As informações são do jornal O Estado de S. Paulo.

Mais conteúdo sobre:
educação Enem

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.