Redução de vendas faz ARACRUZ demitir 177 funcionários

A Aracruz anunciou nesta quinta-feira 140 demissões em suas unidades em Barra do Riacho (ES) e na Bahia, além de mais 37 cortes em Guaíba (RS). Juntos, os cortes equivalem a 7 por cento do quadro de empregados diretos da empresa.

REUTERS

19 de março de 2009 | 16h19

A Aracruz emprega 2,3 mil funcionários diretos no Brasil, além de ter contrato com outros 9,5 mil funcionários terceirizados, de acordo com informações da própria empresa.

A companhia, maior fabricante de celulose de eucalipto do mundo, informou que os cortes são necessários diante dos "efeitos da crise global que vem afetando fortemente a empresa, com redução nas vendas e, consequentemente, no ritmo das atividades produtivas".

Às 15h52, as ações da companhia subiam 1,88 por cento, para 1,63 reais. No mesmo horário, o Ibovespa operava em alta de 0,92 por cento.

O anúncio acontece um dia depois em que a empresa divulgou que decidiu adiar por um ano projeto de expansão de fábrica de celulose Veracel, na Bahia, no qual aplicaria 75 milhões de reais.

A empresa informou que "desde o início da crise, a companhia já adotou uma série de medidas para reduzir custos e preservar seu fluxo de caixa", como suspensão temporária de investimentos de expansão em Guaíba, compra de terras e formação de florestas para projetos da Veracel e de Minas Gerais, além do investimento para modernizar uma de suas linhas de produção em Barra do Riacho.

A companhia ainda cancelou pagamento de dividendos e reviu contratos com fornecedores e prestadores de serviços.

(Por Alberto Alerigi Jr.; Edição de Taís Fuoco)

Tudo o que sabemos sobre:
PAPELARACRUZDEMISSOES*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.