Referendo deve impor nova derrota a Berlusconi

O primeiro-ministro da Itália, Silvio Berlusconi, pode sofrer nova derrota nas urnas nesta segunda-feira, já que um grande número de eleitores compareceu às seções eleitorais para votar num referendo que o governo fez de tudo para bloquear. No mês passado a coalizão de Berlusconi perdeu amplamente em eleições locais.

JAMES MACKENZIE, REUTERS

13 Junho 2011 | 11h00

A votação sobre quatro questões relacionadas à energia nuclear, privatização do serviço de abastecimento de água e imunidade de ministros a julgamentos terminou às 15 horas (10h em Brasília), mas o elevado comparecimento no domingo, primeiro dia de votação, indica uma nova derrota para o cambaleante governo de centro-direita.

O próprio Berlusconi parecia ter admitido a derrota pelo menos na questão da energia nuclear, ao dizer em uma entrevista à imprensa que o voto provavelmente iria pôr fim às perspectivas da energia nuclear na Itália.

"Depois da decisão que o povo italiano está tomando neste momento, nós devemos provavelmente dizer adeus à possibilidade de usinas nucleares e devemos nos comprometer fortemente com a energia renovável", afirmou.

Berlusconi se opunha à proposta de vetar leis aprovadas pelo governo na área nuclear. Na semana passada ele disse que não iria votar e esperava que a maioria das pessoas não fosse - o que evitaria se alcançar o quórum de 50 por cento mais um no referendo, necessário para a aprovação.

A votação não poderia ter ocorrido em um momento pior para o primeiro-ministro de 74 anos, que enfrenta um escândalo sexual e três julgamentos por fraude. Ele também foi enfraquecido pelas perdas esmagadoras nas eleições locais no mês passado, incluindo em sua poderosa base no norte, a região de Milão.

A oposição de centro-esquerda fez ampla campanha para levar os eleitores às urnas. No domingo à noite, quando o comparecimento já era de 41 por cento, a oposição acreditava que o quórum iria ser alcançado.

"Muitos verão isto como uma grande vitória para a oposição, um novo atropelo ao governo", observou o diário La Stampa, de Torino, em editorial. "Mas a verdadeira vitória é diferente, e é grande - um renovado desejo dos cidadãos de participar."

O último referendo que alcançou o quórum mínimo foi em 1995. Depois disso, seis foram declarados nulos.

Se os eleitores se opõem às leis, o resultado provavelmente vai afetar a fragmentada coalizão de centro-direita de Berlusconi, que tem tido dificuldades para se reagrupar após a derrota nas eleições locais.

O ministro Roberto Maroni, um membro destacado da coalizão e integrante da Liga do Norte, que está cada vez mais impaciente com Berlusconi, disse que o governo está ficando sem força e precisa relançar um ambicioso programa de reformas muito em breve.

"Acho que Berlusconi ainda é capaz de obter um grau de consenso muito maior do que tem até agora, mas este é o último teste", afirmou Maroni ao diário Corriere della Sera.

Mais conteúdo sobre:
ITALIA BERLUSCONI REFERENDO*

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.