Reforço antidengue no RJ inicia ação semana que vem

Com o reforço, haverá um acréscimo de 130 leitos de hospitais federais, com 35 UTIs

Lígia Formenti, de O Estado de S. Paulo ,

25 de março de 2008 | 17h54

Os 600 médicos contratados emergencialmente pelo governo federal para trabalhar na epidemia de dengue do Rio devem começar a trabalhar na próxima semana, afirmou o ministro da Saúde, José Gomes Temporão. Com o reforço, haverá um acréscimo de 130 leitos de hospitais federais, com 35 UTIs. O ministro disse esperar que, com o reforço do atendimento médico em tendas, as complicações e mortes provocadas pela doença possam se reduzir de forma significativa. Ao todo, as tendas teriam capacidade para atender 2 mil pessoas por dia. Por sua vez, o ministro da Defesa, Nelson Jobim, disse que as Forças Armadas poderão ceder, a pedido de Temporão, cerca de 400 militares para atuar no combate à doença.  VEJA TAMBÉM Especial - A ameaça da dengueEpidemiologista diz que campanha antidengue fracassouRio já tem mais casos de dengue este ano que em 2007Para Fiocruz, falta informação sobre dengue em criançasCariocas terão cartão para acompanhar evolução da dengueTemporão critica 'saúde precária' da Prefeitura do RioPara infectologista, SP corre risco de epidemia de denguePara governo, dengue cresce no Rio por falta de agentes Dengue atinge status de epidemia no Rio "São bastante confortáveis, com ar-condicionado e cadeiras confortáveis." As tendas vão servir apenas para recuperação de pacientes em estado mais grave. Equipes volantes farão o reconhecimento desses pacientes e um carro de saúde ficaria responsável por levá-los aos postos de atendimento. O ministro disse nesta terça-feira, 25, que espera contar com o auxílio das Forças Armadas em duas frentes: para auxiliar no combate ao foco do mosquito e para postos de atendimento de pacientes. "Eles poderiam nos ajudar a instalar equipamentos de campanha que poderiam ser deslocados de forma ágil de ponto a ponto", completou. Temporão fez um apelo para que a população doe sangue, importante para recuperação de pacientes com a forma hemorrágica da doença.

Tudo o que sabemos sobre:
epidemiadengueRio de Janeiro

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.