Reforma ministerial começa depois do dia 23-fontes

O ponta-pé inicial da reforma ministerial do governo Dilma Rousseff, a troca no comando do Ministério da Educação, não acontecerá antes do dia 23, disse um ministro à Reuters nesta terça-feira.

ANA FLOR, REUTERS

10 de janeiro de 2012 | 18h15

O atual titular, Fernando Haddad, deixará o cargo para concorrer à prefeitura de São Paulo pelo PT e a esperada

efetivação em seu lugar de Aloizio Mercadante, hoje na pasta da Ciência e Tecnologia, era prevista por integrantes de ambas as pastas para ocorrer na próxima semana. Os dois já estão conversando sobre a transição no ministério.

O principal motivo para postergar o anúncio, segundo o ministro que falou sob a condição de anonimato , é a preocupação da presidente com os efeitos das chuvas na maior parte do país. Desde que voltou de férias, Dilma tem cobrado diariamente de seus ministros ações para minimizar os estragos causados pelas enchentes.

Após uma reunião com a participação da presidente, o governo anunciou na segunda-feira a criação de uma força-tarefa para enfrentar o problema na região Sudeste, a mais afetada.

Um assessor da presidente confirmou que Dilma não deve fazer anúncios de nomes para o primeiro escalão antes do final do mês. Além das chuvas, citou a definição de prioridades para o segundo ano do mandato como justificativa para esse cronograma .

Dilma, segundo o mesmo assessor, quer ainda analisar com cuidado os nomes que indicará para o primeiro escalão. Além de um nome para a Ciência e Tecnologia, é certo que a presidente irá indicar um novo nome para o Ministério do Trabalho, que está sob interinidade desde a demissão de Carlos Lupi (PDT), no início de dezembro. Outras substituições devem ocorrer.

Segundo outro ministro ouvido pela Reuters, a presidente não tem aberto a discussão com aliados sobre novos nomes para o primeiro escalão. "A reforma ministerial ainda está apenas na cabeça da presidente", disse esse ministro.

Dilma viaja no final do mês para Cuba e Haiti. Antes, sua agenda prevê a participação no Fórum Social Mundial, em Porto Alegre, no dia 25 de janeiro. Ela já decidiu que não irá ao Fórum Econômico Mundial, em Davos, na Suíça.

(Reportagem de Ana Flor)

Tudo o que sabemos sobre:
POLITICAREFORMAMINISTERIAL*

Encontrou algum erro? Entre em contato

Comentários

Os comentários são exclusivos para assinantes do Estadão.

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.